5 de jul de 2013

Guerra Mundial Z (World War Z)

Título no Brasil: Guerra Mundial Z
Título Original: World War Z
País de Origem: EUA / Malta
Gênero: Ação
Classificação etária: 12 anos
Tempo de Duração: 116 minutos
Ano de Lançamento: 2013
Estreia no Brasil: 28/06/2013
Site oficialhttp://www.worldwarzmovie.com/
Estúdio/Distrib.: Paramount Pictures
Direção: Marc Forster

Elenco: Brad Pitt (Gerry Lane), Mireille Enos (Karin Lane), Daniella Kertesz (Segen), James Badge Dale (Captain Speke), Ludi Boeken (Jurgen Warmbrunn), Matthew Fox (Parajumper), Fana Mokoena (Thierry Umutoni), David Morse (Ex-CIA Agent), [+].

Sinopse

A história gira em torno do funcionário das Nações Unidas Gerry Lane (Brad Pitt), que atravessa o mundo em uma corrida contra o tempo para deter uma pandemia que está derrotando exércitos e governos e ameaçando dizimar a própria humanidade.

Vei Lendo!

Não sou uma pessoa que gosta de utilizar esse tipo de expressão, mas que se dane: esse filme é foda! Não li o livro, então analisei apenas o filme e gostei pra caramba! Começando pelo o jeito como as coisas acontecem, tudo muito rápido! No início tem pouca conversa e o resto é praticamente tudo ação. Mas não algo idiota e absurdamente exagerado. Uma ação inteligente com personagens inteligentes!

Sim, isso foi outro ponto que me agradou muito! Ao contrário do que ocorre em muitos filmes de infestação zumbi e tal, o personagem principal não é um bocó que age como um frango louco o tempo todo e toma uma decisão absurda atrás da outra. Gerry Lane (Brad Pitt) é uma homem inteligente, esperto, pensa rápido e sabe agir em momentos de tensão. Isso faz com que o filme não caia do clichê e flui perfeitamente, de uma maneira eletrizante. Só notei um detalhe que não foi um ato de inteligência do Gerry e que comentarei no final do post.

COOOOORRE CAMBADA!

Os infectados são outra maravilha a parte: rápidos para caramba, com uma força de um ser humano com muita adrenalina e doidões! A transformação se dá em 12 segundos, algo que faz você pensar como a vida do povo do The Walking Dead é tranquila e pacífica! Também acho interessantíssima essa questão dos zumbis, pois em muito filmes são mortos-vivos podres, lentos e burros. A contaminação demora bastante para acontecer, dando até tempo de ir pescar. E numa infestação assim não me parece que os zumbis venceriam. Lentos e fácil de matar? O único problema é quando estão num bando grande, fora isso são bem vulneráveis.

Agora no Guerra Mundial Z não, os infectados são terríveis! A contaminação é rápida, tornando explicável a velocidade com que o "vírus" se alastra. Eles não são podres,  apesar de estarem mortos: possuem a força e rapidez de quando foram humanos, só parecem mais rápidos e mais fortes provavelmente pela questão da adrenalina. Esses zumbis não são fáceis de matar e a coisa é correr muito! Amei isso! Qual é, porque com zumbis imbecis e lerdões o vírus se espalharia tão de pressa? Do jeito que é no World War Z é completamente aceitável que 5% da população mundial esteja infectada num curto período de tempo. Outros filmes com infectados no estilo são Extermínio (28 Days Later), Eu Sou A Lenda (I Am Legend) e Zombielandsendo que apenas os zumbis do Eu Sou A Lenda chegam aos pés dos zumbis desse filme. 


A trilha sonora é perfeita para os momentos de ação e tensão. Falando em ação e tensão, esses são um dos pontos mais fortes do filme. As cenas de ação são literalmente de tirar o fôlego, assim como as de tensão! Você fica torcendo em voz baixa para os personagens, falando como se fossem te ouvir "Cuidado, cuidado...", "Acorda, olha o que tá acontecendo!", "Xiuu" (você entenderá vendo o filme) e principalmente: "COOOOORREEE!". Não é um filme cansativo, chato, clichê. É contagiante do início ao fim (acredite: é do início ao fim mesmo!).

E os efeitos especias? Ficaram muito bons! Os infectados são horríveis e fazem uns movimentos bem esquisitos. O jeito que eles se jogam também é impressionante. A maquiagem é perfeita e os barulhos que eles fazem também!


Os atores são ótimos, isso nem se discute. As situações pelas quais eles passam são, além de tensas, bem emocionantes. A história é, no geral, excelente! Vi alguns seres estranhos comentando que a história é clichê... Como assim clichê Jaum? Sim, a questão dos zumbis não é nova, no entanto Guerra Mundial Z ficou bem diferente dos filmes de zumbis que até então já foram lançados. Tudo nele é diferente: a história, a atitude dos personagens, os infectados, as situações e principalmente o desfecho (que é ótimo!). 

É um filme que você deve assistir! É muito legal mesmo! O fato que achei mais interessante foi a questão da união, da bondade, da cooperação entre as pessoas. Não caiu naquele clichê de sempre ter um do contra, sempre ter "o malvado", alguém querendo se aproveitar dos outros ou alguém extremamente egocêntrico. No filme todos se ajudam, todos cooperam, sem questionar muito. É sobrevivência, nessa hora todos devem estar unidos! Se um não ajudasse o outro, permanecesse no egoísmo triste e imbecil, a população mundial sumiria do mapa bem rápido. O filme é tenso, mas possui uma mensagem muito boa e necessária nos tempos de hoje, numa sociedade onde cada vez mais as pessoas só se importam com elas mesmas: temos que nos unir! Unidos somos fortes! Unidos conseguimos superar as dificuldades. Um ajuda o outro, um cuida do outro, e assim as coisas vão dar certo, vão funcionar.

World War Z entrou para a minha lista de favoritos e espero que entre para a sua também!  

NOTA (0-10): 10 (um filme de zumbis que se sobressai no meio de tantas produções repetitivas)

TRAILER


CURIOSIDADES

Livro de zumbis: Baseado no livro "Guerra Mudial Z", de Max Brooks.

Comprando os direitos: O valor pago pela Paramount pelos direitos de adaptação não foram divulgados, mas as informações são de que o contrato foi de seis dígitos.

Atores cotados: Os atores Ed Harris e Matthew Fox chegaram a ser escalados para a produção, mas conflitos de agenda impediram a participação de ambos.

Filadélfia no Reino Unido: Rodado em várias locações do Reino Unido, como Glasgow e Escócia. Para que o local ficasse parecido com a Filadélfia, carros, caminhões e até placas de rua foram importadas para a devida caracterização. O motivo dessa operação foi fugir das altas taxas, uma vez que não foi oferecida nenhuma redução de impostos para a produção rodar por lá.

Herói do set: Durante uma das cenas que envolviam uma multidão de zumbis, uma das figurantes caiu no chão e começou a ser pisoteada. A situação só não foi pior porque o astro Brad Pitt a pegou, colocou-a nas costas e saiu do local antes que se tornasse algo mais grave. O agradecimento ao galã veio somente depois que a cena foi concluída.


Produção complicada: A produção de Guerra Mundial Z passou por diversas dificuldades: mudanças no roteiro, gravação de novas cenas, problemas com os efeitos especiais... Após todas essas alterações, o filme teve sua estreia adiada em mais de seis meses.

Improvisação: Para garantir um maior realismo em Guerra Mundial Z, a maioria das cenas familiares foram improvisadas pelos atores.

Figurantes: Nas cenas do início da epidemia, em Glasgow, foram utilizados 200 figurantes para dar a impressão de uma multidão. Em outra filmagem, a produção contou com um total de 700 figurantes.

PODIA TER FEITO ISSO (SPOILER!)

Na cena em que o Gerry está no laboratório pegando lá os frascos e tem um zumbi do lado de fora, em vez dele ir injetando qualquer coisa poderia ter escrito no caderno assim e "Vou colocar o vidro perto da câmera, se for o certo dê um toque no telefone, se for o errado dê dois". Ele conseguiria escutar o telefone, pois conseguia escutar o zumbi do lado de fora e saberia qual seria o melhor para injetar, sem todo aquele drama. Foi mostrado que a mulher conseguia ligar e ele tinha um caderno, porque não fazer isso? De qualquer maneira, foi uma cena legal.

4 comentários:

  1. Nossa parece ser muito bom! Agora me animei para conferir!

    ResponderExcluir
  2. Assisti ao filme hoje. Achei muito bom. Ai parei de analisar emocionalmente e tentei olhar racionalmente. Não achei tão bom assim.

    Também pensei exatamente isso que você disse na hora que ele ia injetar o negócio no braço. Na verdade, achei toda a sequencia ali meio estranha: porque ele tinha que largar o pé-de-cabra para digitar a senha e porque ele foi burro ao ponto de deixá-lo de fora? As criaturas são atraídas pelo barulho, mas não são atraídos pelos barulhos uns dos outros. E porque diabos não tinha uma alma protegendo o muro em Israel? O mundo está acabando, mas só porque eles têm um muro alto isso justifica não colocar ninguém pra vigiar?

    O argumento que leva o filme adiante é a procura pelo paciente 0. Isso não me convenceu. O que me parecia mais óbvio a se fazer era coletar sangue infectado e começar a estudar o vírus a partir disso e não tentar procurar como tudo começou. Durante a história da humanidade a maioria dos vírus tiveram sua cura encontrada a partir do estudo de amostras e não da descoberta de sua fonte. E no filme fica claro que não existe propósito: aonde quer que o Gerry vá porque ouviu alguém dizendo que era em tal lugar que tudo havia começado, ele sempre descobre, ao chegar lá, que houve algo antes. É uma origem não-originária. Acho que no livro ele é um repórter que está tentando descobrir a origem da epidemia, ai faz muito mais sentido.

    A transformação em 10 segundos não me convence. Posso estar errado, mas o que me parece mais cabível, seria uma transformação em cerca de um minuto: o tempo médio que levaria para o sangue dar uma volta no corpo (levando o vírus aonde ele deveria ir). De qualquer forma a transformação levaria tempo diferente de indivíduo para indivíduo.

    Um ponto positivo do filme é a falta de auto-preservação das criaturas. O movimento que elas fazem é medonho mesmo, mas o movimento delas no CG não me agradou. A propósito, o excesso de computação gráfica estraga boa parte das cenas.

    De novo um filme ficou com cara de "EUA salva o mundo". Extermínio e Madrugada dos Mortos possuem zumbis rápidos e não têm essa bobagem americana, é focado muito mais na sobrevivência de seres-humanos o que torna a trama mais tensa. No começo parecia que ia ter esse lado dramático com as filhas dele e a esposa, mas é só ele ser resgatado e ser mandado na missão que essa parte é deixada de lado. As filhas nem aparecem direito, a esposa só faz merda pra gente ficar com raiva dela e aquela história de sobrevivência do começo desaparece para dar lugar a correria, explosões e enchente de zumbis em computação gráfica. Chucharam a soldado no meio para tentar preencher essa falta de relações pessoais mas também não me convenceu

    E o zumbi brincando de pique-esconde no avião? O Gerry explode uma granada: todo mundo morre, menos ele e a soldado... nem um pouco forçado. E o Gerry tendo uma epifania sobre a cura me deu vontade de pular de um prédio. Na África não era pra ter morrido ninguém porque a quantidade de gente com AIDS lá não tá escrito... Ninguém em nenhum país percebeu aquilo?

    Americano tem a necessidade de ter um "viveram felizes para sempre". Eu preferia muito mais o primeiro filme (que foi gravado e descartado): o Gerry virando um soldado-escravo na Rússia e a mulher dele tendo que se prostituir para conseguir proteger as filhas. Era um final muito mais angustiante, realista e deixava espaço para a continuação, mas acabaram fazendo aquele final igual a Eu Sou a Lenda.

    A fotografia tenta ser realista e nítida, acabou parecendo filme do Roland Emmerich. Se for comparar com outros filmes: Exterminío é mais realista, Madrugada dos Mortos é mais violento, Resident Evil é mais artístico. Guerra Mundial Z é um filme "bom" porque é um filme caro. Se limitasse um pouco o orçamento do longa nada ali ia prestar porque a história é inexistente e não seria possível deixar o espectador de queixo caído com as cenas aéreas cheias de zumbis virtuais. Talvez o que se salve mesmo ali é a trilha sonora. De resto, é um filme que gasta muito e não faz nada de novo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No filme contágio se não me engano, tbm procuram pelo paciente 0, assim podem entender mais o vírus e tal. Num documentário que vi sobre o SARS se não me engano tbm procuraram pelo paciente zero (e descobriram) e a origem do vírus. O mesmo ocorre nesse filme. Ele procura pela origem do vírus e pelo paciente zero. Não é um absurdo.

      A transformação tbm achei muito rápida e improvável. Mas o que sabemos? Que vírus é esse? Como ele age? Afinal, ele é cheio de peculiaridades, como todos os vírus. Vai saber...

      E então, vc queria mais um filme de sobrevivência zumbi? Já não bastava esses que vc citou, ainda temos Terra do Mortos, Diário dos Mortos, The Walking Dead e o diabo a quatro sobre sobrevivência a um apocalipse zumbi. Por essa lógica, se o filme focasse na sobrevivência zumbi (mais uma vez), cairia no clichê. Não é mesmo? Gostei das explosões, da ação intensa e tudo isso. Deixou o filme bem diferente de todos esses outros.

      E não foi bem o EUA salvando o mundo mais uma vez. Pelo menos eu não interpretei assim. O cara teve ajuda de várias pessoas de outros países. Ele não foi o herói. Ele teve ajudas. Todos foram "heróis" (e olhe lá, pq não teve solução para o problema, só mascararam ele...).

      Sim Lauro, mas como disse nos comentários do outro filme: o mundo não precisa ser sempre horrível. Acontecem muitas desgraças em nossa vida e a humanidade atual é podre e tudo tem a chance de dar errado. Mas isso não é uma regra, não precisa ser sempre assim. Em vez de firmar uma visão pessimista e enfiar em nossas cabeças que a humanidade é podre (como TWD faz muito bem), a intenção foi mostrar que todos podem ajudar uns aos outros, que não precisamos ser egoístas, individualistas e malvados. Se todos se ajudarem, especialmente em uma crise, as coisas podem dar certo. E o filme nem teve final feliz assim... Ainda não descobriram uma vacina para ficarem realmente imunes ou para curar os infectados...

      Extermínio focou na sobrevivência, Guerra Mundial focou naqueles que buscam manter essa sobrevivência dos outros. Ambos foram realistas. Um mais parado, outro com mais ação. E só. Prefiro muito mais o filme assim do que com banho de sangue (aliás, outro clichê de filmes de zumbis). RE artístico? Me explique as maquiagens toscas dos zumbis no RE Apocalipse.

      Todas as questões que vc apontou, em especial violência e sobrevivência, que são utilizadas em todos os filmes de zumbis, vc deixou bem claro que não foi visto no Guerra Mundial Z. então onde ele é clichê? Pelas cenas de ação? Me cite um filme de zumbis igual a ele. Posso te citar vários iguais ao Madrugada dos Mortos, mas nunca vi um filme de zumbi tão intenso como Guerra Mundial Z.

      Ah, e sobre a cena do avião... o cara não pode ter sorte? E olha que ele saiu todo ferrado...

      Excluir
    2. Eu não acho um absurdo a procura pelo paciente 0. Acho despropositado nas circunstâncias. O cientista lá do começo que era o bambambam em nenhum momento cogita estudar o vírus a partir de amostra. Para ele toda a solução está em achar o tal indivíduo 0. Acho que ficaria mais interessante se o cara fosse jornalista... mas não, tinha que ser um militar (e sim, os EUA salvam o mundo).

      Não sou perito em vírus, mas acho que qualquer vírus precisa primeiro chegar a algum lugar do corpo antes de causar algum dano. No casa, parece que ele deveria chegar ao cérebro e em 10 segundos não parece um tempo provável. Eles só se transformam em 10 segundos porque o filme quer ser irado e precisa de ação pra isso acontecer.

      Em um lugar cheio de morte, focar na vida parece interessante. No começo do filme existe isso, existem conflitos internos. Depois existe um cara correndo e coisas sendo destruídas. Ficou parecendo mais 2012 do Emerich (até a fotografia é a mesma).

      O C.S. Lewis disse uma vez que o mundo é cruel, negar isso é errado. É bem por aí. O cara ter descoberto a "cura", não faz o mundo parecer mais bonitinho, faz as coisas parecerem impalpáveis. E é preciso levar em consideração que estamos falando de um filme (que deveria ter continuação - já nem sei mais como está o caminho do filme porque teve tantas notícias falando que tinha sito cancelado). O longa teria se saído muito melhor se tivesse se apegado ao final original porque ele ia terminar no clímax e as pessoas iam sair do cinema com aquilo na cabeça. Os filmes Darren Aronofsky (Requiem Para um Sonho, Cisne Negro), sempre terminam no clímax, não tem aquele desfecho para o espectador digerir a história e é por isso que eles mexem tanto com a gente. A história ganha mais profundidade.

      Não confunda artístico com malfeito. Guerra Mundial Z foi o filme mais caro do gênero, se não me engano o mais caro da temporada e também um dos filmes mais caros já feito. RE não teve nem um terço do orçamento de GMZ, então é lógico que a qualidade cai. Mas RE soube escolher uma paleta de cores mais bonita, uma iluminação mais introspectiva, usou movimentos de câmera inusitados, soube usar slow-motion. Artisticamente é muito mais interessante que GMZ.

      Não Assisti eu sou a Lenda, mas pelo pouco que vi, notei semelhanças. Madrugada dos Mortos e Extermínio também são semelhantes. A diferença é que GMZ quis ser muito mais, fez a coisa em escala desmedida... se você parar pra olhar fica a pergunta: é mesmo um filme de zumbi?

      Excluir

• Faça pedido de parceria somente na página reservada para isso.

Não aceitamos comentários ofensivos. Se quiser criticar a postagem, critique com educação.

Spams não serão aceitos. Aqui não é lugar para você divulgar seu site, blog ou seja lá o que for.

• Lembre-se de que o Vai Assistindo possui mais de um autor. Portanto, a crítica de cada um deles não expressa a opinião de todos os outros autores. Procure ver logo abaixo do título de cada postagem o nome do autor que a criou.

• As opiniões expressas nos comentários não refletem as dos autores do blog.