7 de mar de 2013

Silent Hill: Revelação (Silent Hill Revelation 3D)

Título no Brasil: Silent Hill: Revelação
Título Original: Silent Hill Revelation 3D
País de Origem: Estados Unidos
Gênero: Terror/Gore
Classificação etária: ainda não divulgada no Brasil
Tempo de Duração: 94 minutos
Ano de Lançamento: 2012
Estreia no Brasil: 07/06/2013
Estúdio/Distrib.: PlayArte
Roteiro e Direção: Michael J. Bassett

Elenco: Adelaide Clemens (Heather/Alessa), Kit Harington (Vincent), Sean Bean (Harry), Carrie-Anne Moss (Claudia Wolf), Radha Mitchell (Rose), Deboah Kara Unger (Dahlia), Malcolm McDowell (Leonard), Martin Donovan (Douglas) [+]

Sinopse: Quando seu pai desaparece, Heather Mason é levada a uma realidade alternativa estranha e assustadora que guarda as respostas para os horríveis pesadelos que a atormentaram desde a infância.(sinopse ridícula, mas é melhor que aquela headline tosca de "Prepare-se para uma viagem em 3D pelo inferno" ¬¬')

Vai Lendo!
Pois é, demorei, mas finalmente vim escrever uma crítica sobre o negócio mais novo relacionado a Silent Hill que temos à disposição. Já não é mais novo, uma vez que o filme saiu em Outubro do ano passado, mas pra nós que moramos aqui no Brasil ele ainda nem brotou nos cinemas.

Já deixo bem adiantado que odiei o filme, com todas as letras da palavra "C R E D O". Se você assistiu e achou perfeito, ótimo, mas caso não saiba aceitar a opinião de outras pessoas, nem mesmo perca seu tempo lendo o texto (e muito menos deixando comentários furiosos), pois vou falar muito mal. Não creio ter o dom da verdade absoluta do Universo e minha opinião muito menos representa o ponto de vista geral dos fãs do jogo ou do primeiro filme. A crítica vai, obviamente, levantar todos os pontos e explicar os porquês (é esse o objetivo de toda crítica, caso alguém não saiba), mas se mesmo assim você não respeita outras opiniões e acha que sou "fã xiita", clique no X ali em cima da janela do navegador, poupe maiores sofrimentos e seja feliz! :D

Bom, dado o primeiro sermão, tem o segundo aviso, mais óbvio ainda. O texto a seguir está REPLETO de spoilers, num nível absurdo. Vou dissecar o filme praticamente todo para poder explicar meu ponto de vista, então só continue lendo se você já assistiu. Se quiser eu repito: NÃO LEIA CASO AINDA NÃO TENHA ASSISTIDO O FILME!!! depois não venha com mimimi pra cima de mim e muito menos da Ninne ¬¬

Mais uma coisa: não vou colocar fotos nessa postagem, apenas os comerciais de TV e o trailer, para que o nível de spoilers não seja estratosférico (repito: o filme ainda não saiu no Brasil, porém a Internet faz coisas incríveis e ele já está disponível por aí ;D).

Nota (0-10): 3 (e olhe lá, hein...)




OK, você deu o play no filme e já espera que vá assistir algo ruim, uma vez que comentei várias vezes os pontos que me deixaram meio preocupado e curioso sobre o que haviam feito com a história. Brota o logo da Davis Films, igual ao do primeiro filme, e junto com uma sirene ele descasca e fica todo enferrujado. Ótimo sinal, o Mundo Alternativo está de volta do jeito que a gente gosta! o/

Brota o nome de Samuel Hadida (o produtor do filme) e de fundo você ouve Never Forgive Me, Never Forget Me. Vem a sensação de "putz, repetiram uma música do primeiro filme...". É, repetiram mesmo. Mas grande coisa, é o mesmo filme e tudo, então isso não é ruim.

Brota uma menina correndo (e com luzes piscando atrás dela WTF?!), em câmera lenta. Todo mundo já sabe que é Heather, afinal isso foi amplamente divulgado. Ela corre ao som de Prayer (de SH3) até um parque de diversões clichê master, com aquelas entradas em forma de cabeça de palhaço com a boca aberta. Não sei de onde o povo tirou que o Lakeside Amusement Park é ou algum dia foi bocó e clichê assim... E sim, é ele, o nome aparece nas faixas ao redor.

Você tolerou isso, porque quer saber até onde o filme vai (ou até onde você agüenta). Então aparecem pessoas vestidas com mantos pretos, capuzes e montes de fivelas. Não são góticos, são membros d’O Culto. Repare que Heather corre loucamente, mas eles andam de boas como se nada mais importasse. Heather tenta se esconder ao lado de uma barraca e PAN! Ao lado dela tem um coelho rosa gigante [de repente todo mundo grita: ROBBIE!!! — óbvio que é ele].

Heather olha para uma série de aquários em outra barraca e nota que os peixes estão morrendo. Quem não entendeu essa parte, fikdik: ela está vendo o Mundo Alternativo chegar e tal. Gostei desse pequeno detalhe, tudo "perdendo a vida" quando a maldade de Alessa toma conta. Depois, ela (a Heather) olha pro bonecão do posto do Robbie, pros bonequinhos acima dela, pro Robbie de novo... e ele vira a cabeça.

[som extremamente alto de freada brusca, seguido de risadas]

Povo, sério mesmo que fizeram isso?! Duvido que alguém na face da Terra tenha se assustado com isso, coisa mais previsível e patética... xD~

[solta o freio e vai em frente]

Heather corre pelo parque, que é coloridinho demais e não parece Silenthillístico, e entra no carrossel. Oooooohhh, vai acontecer algo igual a SH3... só que não ¬¬

No centro do carrossel aparece... Cara, sério, preparem-se: O PYRAMID HEAD!!! WTF?!?!?!?!?!
O bicho mais memorável e f*d* de toda a série (quiçá de todas as séries de horror do mundo!) foi rebaixado a ficar preso (aparentemente pelos mamilos LOL) e servindo de motor pro carrossel? Misericórdia, o que mais falta fazerem? calma, você ainda não viu nada...

Olhando pro lado, ela vê e se assusta com pessoas penduradas no lugar dos cavalos (só duas, o resto continua igual, detalhe...). Quê? O_o
É, pessoas, extremamente pálidas (sabe-se lá por que raios) e penduradas por ganchos nas costas, como quem faz suspensão, gritando de desespero com mordaças na boca. Soa meio como algo sado-maso, mas como SH tem coisas leves do tipo, pode até passar...

A câmera sobe entre as pernas de alguém e PAN!

#todosdelira com a Memory of Alessa, mas repare que ela simplesmente parece gótica, com a cara branca e os olhos e boca pretos. Cadê aquela coisa toda queimada e perturbadora do jogo? Voou, decerto, ou foi pra outro brinquedo do parque... ¬¬

Ela abre a boca e diz "Você não pode me derrotar. Não vá para Silent Hill". Hum... hã?!

Primeiro você chora de rir com a vozinha distorcida ridícula dela, depois fica se perguntando por que ela diz para Heather não ir até Silent Hill, quando na verdade ela (Alessa) quer o contrário.

Alessa levanta a mãozinha e brota fogo em um círculo ao redor do carrossel. Legal, eu admito, mas a seguir tudo vai pras cucuias. O fogo malfeito queima as pessoas que estão em volta do carrossel, em seguida as duas que estão penduradas no lugar dos cavalos e vai em direção a Heather. Ela começa a queimar e a gritar, e TCHARAN! Está sonhando, é claro!
Acorda dando uns gritinhos fracos, nem parece que está tendo um pesadelo from Hell, e brota Christopher para acordá-la. Ele a chama de Alessa e logo depois...

Putz, brota um bicho cabuloso atrás dele e, sério, essa parte foi a primeira de vááááárias esdrúxulas e ridiculamente desnecessárias (enfatizo MUITO, é o cúmulo do "pelo amor de Samael, jamais coloquem isso em um Silent Hill!!!"). O bicho enfia uma faca no peito de Christopher e ARRANCA UM PEDAÇO DELE!!1!!1!!!11!!!!!um!!!!

[James, diz aí, por que você fica tão irritado com isso?]
Se você curte a série, pelo menos até o terceiro (e até o quarto, pra dizer a verdade), sabe muito bem que violência gratuita e tripas+sangue voando na sua cara nunca, jamais, em hipótese absurda ALGUMA foi o foco de Silent Hill. Nos jogos aparecia sangue, é claro, mas usado de forma sutil e não gratuita, ou então algo extremamente perturbador. Essa parte do filme foi um toque gore ridículo simplesmente pra justificarem o uso do 3D estereoscópico (você consegue perceber que as gotas de sangue meio que voam pra fora da tela). Justifica o 3D, mas ficou uma droga colocado no filme. E é por isso que eu me incomodo tanto quando apelam pra violência num filme de SH. OK?

Heather acorda de novo, é um sonho duplo. Ela vira pro lado, pega um caderno e rabisca algo que não aparece. Na mesa do café da manhã ela e Christopher falam sobre seus nomes: ela já se chamou Sharon, Mary, Kat e agora é Heather (nome da avó de Chris). Depois fala "Você era Christopher, agora é Harry...". Mais alguém se contorceu quando a justificativa pro nome de Chris ter mudado pra Harry foi simplesmente essa?!

Chri... digo, Harry (aiminhanossa, que tenso chamá-lo disso agora... ._.) dá um presente de aniversário a Heather. Ela abre, vê que é um colete igual ao que estava usando no pesadelo e faz a maior cara de "putz, danou-se". Continuam conversando e ele começa a falar as mesmas coisas do pesadelo também. Ela o pára na hora, e isso eu achei legal, meio que um pressentimento ou algo assim.

Heather sai e Harry vai fuçar nas coisas dela. Pega o caderno e vê que Heather escreveu SILENT HILL nele (repare que na outra folha está cheio de desenhos que parecem feitos por uma criancinha, e Heather está fazendo 18 anos... destreza zero pra desenhar tipo eu assim... xD). Harry pega uma caixa no guarda-roupa e você vê que na tampa está desenhado o Halo of the Sun (aquele selo que é o símbolo do Save em Silent Hill 3). Uso gratuito? Sim, porque não faz sentido nem fica claro o porquê de Harry ter uma caixa com o símbolo d’O Culto. Dentro da caixa está cheio de papéis, inclusive um com, bem claramente, a Marca de Samael.

Sério, acabei de me dar conta de uma coisa. Eu pretendia descrever o filme quase todo, mas reassisti-lo até esse ponto já está me deixando meio incomodado, então acho que vou parar de contar tudo e simplesmente apontar os absurdos e as coisas que gostei ou não gostei em cada parte, OK? Mesmo porque, a crítica já ficou gigante até aqui, então é razoável não encher de mais coisas pra ler :P

A visão que Harry tem com Rose no espelho é tosca demais. Ela brota, diz a ele que não pode voltar porque achou o Selo (que brotou na história assim do nada), mas metade dele está faltando. Aí PUF!, Sharon aparece atrás dele no sofá, pergunta da mãe e derruba um amuleto com a Marca de Samael de um lado e aquele símbolo bocó da Ordem (de Silent Hill Homecoming) do outro lado. Você vai entender depois isso tudo.

Depois de uma ceninha até interessante (mas que me fez rir xD) com o mendigo, surge alguém perguntando se Heather está bem. Todo mundo que jogou reconhece Douglas na hora, só que ele se apresenta de um jeito diferente. Ele nem sabe o nome de Heather, só diz que já se conhecem.

A cena na sala de aula é dispensável, exceto por nela aparecer pela primeira vez Vincent, que choca por ser absurdamente diferente do que todo mundo já conhece. Só vou citar uma coisa: o nome dele agora é Vincent COOPER!!!
COOPER, mano! De ONDE o povo tirou isso?!?!?!?! O sobrenome dele no jogo nunca aparece, mas é Carter. Ele é parente do Sheldon agora, por acaso? ¬¬

A primeira transição para o Outro Mundo é razoável, mas falta muuuito para ser perturbadora como a dos jogos ou até mesmo do filme anterior. A luz só apaga e acende de novo e Heather já está lá. O cenário é meio legal, mas de novo colocaram aquela fumaça desnecessária (por que todo cenário em SH tem que ter vapor saindo do chão?! O_o). Fora que nessa cena, aparece o Armless Man beeeem lá longe, some e pronto, fica por isso mesmo. Aí vem mais uma coisa ridícula: Vincent está a fim de Heather (ah vá, jura? ninguém tinha percebido isso ainda pelos trailers, né? xD).

Quando Heather diz que está sendo seguida e alguém bate à porta de Harry, o fator ridículo do filme (vou passar a chamar de "FR") ganha mais um ponto com a tela ficando escura.

No Happy Burger ocorre uma das partes mais ridículas do filme inteiro (FR + 100), com as crianças comendo lanches sangrentos, cuspindo sangue e com a maquiagem da cara borrada. Isso até Douglas surgir e começar a chamar Heather de... Terisse?! O_o

 A cara costurada do cara a quem Heather pede ajuda foi até legal, mas não era novidade alguma, porque já apareceu no trailer e em um dos pôsteres do filme. Aí ela entra por uma porta e vê um açougueiro cortando um pedaço do peito de um cara e usando como bife (ou hambúrguer, sei lá). FR + 200.

Heather pegando um cano para se defender de Douglas também foi legal, deu um toque do jogo, mas foi só. Douglas então diz que A Ordem está atrás de Heather e que eles se chamam de A Ordem de Valtiel.

Brota de novo aquele bicho que cortou Harry quase ao meio e... PAN! Violência gratuita de novo! Douglas tenta se defender mas o bicho corta os dedos dele fora (que voam na tela, 3D forçado de novo). Ah é, FR + 300...

Quando ambos vão sair do elevador, o bicho leva Douglas e pronto, ele apareceu, falou, morreu e acabou a participação dele no filme.

[Peraí James, você tá de brinks com a minha cara, né?]

Ah, quem me dera... É exatamente isso: Douglas aparece, vai atrás de Heather e o monstro o mata, acabou. Sem maiores delongas nem algo significativo pro filme. FR+infinito!

Depois de sair de onde estava, Heather aparece no meio de uma investigação policial. Incrível que nenhum dos policiais estranha ela surgir exatamente do local onde um cara foi encontrado morto... Vincent está lá de alguma forma e acompanha Heather até em casa, mas não sem antes ela ter uma visão tosca do povo do Culto. No ônibus ele menciona o avô e segundos depois diz o nome dele: Leonard...

OK, Leonard virou avô de Vincent, mas isso não é tão grave assim (ah não, imagina...). Foi uma adaptação desnecessária ao filme, mas nada desesperador. FR + 10.
Quando ele diz que a mãe trancou o avô dele numa cela e que a mãe é meio intimidadora, aí a coisa fica séria. Você começa a pensar "não pode ser verdade que Vincent no filme virou filho de Claudia..." e sente uma vontade enorme de parar de assistir. Mas é forte, e continua.

A mensagem escrita com sangue na parede da casa de Heather é ridícula (FR + 50), especialmente porque seja lá quem escreveu, teve todo o trabalho de desenhar bonitinho o Halo of the Sun ao lado.

Heather vai, fuça na caixa que o pai tinha guardado e encontra a outra metade do medalhão (como é que Harry não tinha visto antes, isso fica na sua imaginação...).

O flashback que mostra Harry matando um membro d’O Culto foi legal terem colocado, afinal isso só foi citado no livro Lost Memories (até onde lembro, no jogo você não fica sabendo disso). Funcionou bem como justificativa para eles fugirem o tempo todo.

O caderno que Heather lê (o diário de Harry, ao que tudo indica) é lotado de desenhos tirados direto das artes/rascunhos dos jogos. Você vê o Selo de Metatron, uma Grey Children e, óbvio, uma gravura do Pyramid Head (aquela da contracapa de Silent Hill 0rigins). Inventam que ele é um executor da Ordem, e não da mente de alguém, mas isso a gente já aceita porque ninguém mais liga pra destruírem a imagem e o significado do coitado do PH.

Vincent e Heather chegam a um motel (sem mente poluída! procure primeiro saber o significado original de motel ¬¬), cujo nome é... PAN! Jack’s Inn, diretamente do mundo da Lua jogo! Aí há também mais duas referências diretas, que gostei de terem colocado: o número do quarto é exatamente o mesmo no qual você encontra Vincent no jogo, e há um sapato vermelho na cabeceira das camas (lembram do sapato vermelho do enigma da Cinderela no parque?).

O "mini-sonho" que Heather tem com Alessa na rua e o povo bocó correndo dela (aquela famosa cena do trailer) prova que realmente exageraram. Eu achei ridículo, especialmente quando passa um cara perdidão fugindo e ela solta um Hadouken de cinzas... xD

O que raios foi aquilo de Vincent ser "a criança da Ordem"? O_o

Aí ele vem e confirma: "minha mãe Claudia...". POR QUEEEEEE, alguém tente me explicar, POR QUE fazem isso com Silent Hill e com a gente? FR + 800!!!!!!!!!!
A cena em si é totalmente dispensável, exceto pelo efeito da transição. Nada novo, mas é legal igual à versão do primeiro filme. De repente brota aquele bicho atrás do Vincent e enfia um soco na cara da Heather...

Depois de Heather sair, você vê que está tudo como era antes em Silent Hill: cinzas caindo e neblina por toda parte, só que com um efeito muito ruim. A cidade convence, mas é idiota aquelas pessoas aparecendo nas janelas. Cadê a Silent Hill totalmente deserta que todo mundo conhecia? ._.

Dahlia reaparece, diferente (agora parece menos com uma mendiga xD). Fala umas frasezinhas de efeito e você vê um monte de cenas do primeiro filme. A sirene toca, dessa vez uma versão esquisitona (eu ri muito quando ouvi o barulho xD) e Dahlia manda Heather correr. O efeito da transição nessa parte ficou meio exagerado, mas vá lá. Porém, já adianto, Dahlia apareceu, falou e pronto, ela não vai mais aparecer durante o filme! ¬¬'

A cena toda com Heather no depósito e os manequins é totalmente dispensável. Os efeitos de CG nessa parte são extremamente artificiais, ridículos mesmo. A menina que aparece não diz nem o nome, surge por 2 minutos e PAN! É morta e fica por isso mesmo. Nem falo nada da outra que é transformada em manequim, com um efeito sofrível pros padrões de hoje. Mais duas que não adicionam NADA à trama.

Aí aparece outra cena... Na sala há aquela estátua gigante de algo que se diz o Valtiel, e Harry pendurado nela. Claudia falando de Vincent, com uma roupa que não tem nada a ver com o hábito azul marinho que usava no jogo, mas ao menos sem sobrancelhas e com os cabelos brancos. O sotaque meio Australiano sumiu, detalhe. No fundo, o Halo of the Sun numa cortina e duas tochas acesas (que raio de cenário malfeito é esse, pelamor? xD). Claudia então consegue estragar mais a trama: Christabella, do primeiro filme, era irmã dela...

Heather está fugindo e vai até o Brookhaven.

[que legal, tem o Brookhaven de novo, agora com o nome aparecendo! :D]

Aham, vai nessa... Agora ao invés de um hospital, você vê o Brookhaven Asylum (é, ele virou um hospício/manicômio). Em toda a cena a seguir a única coisa legal é que a cela de Leonard é a S12, exatamente a mesma onde ele fica no jogo. Destaque também para o mapa do Brookhaven, igualzinho ao do jogo.

Brota uma criatura bizarrona, a única que realmente parece ter saído de um Silent Hill (na verdade é um paciente, mas deformado). Ao invés de aproveitarem, ele simplesmente se joga em Heather e ela o mata com um tiro na boca (mais violência gratuita e sanguinho voando na tela pra usarem o 3D ¬¬). Apareceu, morreu, acabou, pela terceira vez.

Finalmente Heather encontra Leonard, vamos enfim saber como ficou a representação dele no filme... E vem mais uma reação de WTF?!

Malcolm McDowell é o único que atua bem, afinal já ficou famoso (mesmo que seja por um personagem que surgiu há décadas), mas as falas dele são tão bocós que mal dá pra perceber a atuação. Infelizmente isso acontece com todos os atores, as participações são tão absurdamente curtas e sem significado que você não tem nem como julgar as atuações.
A existência de Leonard faz sentido e aparentemente tem o mesmo propósito do jogo, exceto por ele aparecer primeiro em sua forma humana (no jogo, Heather o enxerga apenas em sua forma transfigurada). Ele diz que o amuleto tem o poder de mostrar "a verdadeira natureza das coisas". Nessa cena ocorre outro clichê RIDÍCULO de cenas de filmes Hollywoodianos: com um tiro de pistola Heather faz Leonard sair voando!!! ORRA MANO eu disse ORRA! XD!!! A bagaça é uma pistola ou um canhão?! E como ela não sente o tranco quando atira?!?! Ah, o apelo comercial sempre falando mais alto...

Leonard aparece (Amém!) em sua forma de monstro, levemente diferente do jogo, mas bem representada, e carrega Heather nas costas. Um ponto positivo do filme (um dos únicos, infelizmente): a música que toca nessa parte é a mesma de quando você enfrenta Leonard no jogo. No caminho ela vê cabeças no chão (?!), bem malfeitas, também. Depois de conseguir o amuleto completo, Leonard se dissolve numa nuvem de... cinzas?

OK, você conseguiu ser forte e continua assistindo. No corredor do hospício ocorre outra cena ridícula (dos supostos "loucos", que mais parecem prisioneiros, já que o lugar não parece nem um pouco com um manicômio): mãozinhas pra fora das portas tentando pegar Heather e o Pyramid Head surge novamente. Respire fundo, pois ele vai protagonizar uma das partes mais patéticas do filme todo...

Primeiro, a Giant Knife dele some e dá lugar a um... não sei o que é aquela "faca". Depois ele simplesmente sai decepando os braços que estão nas portas!!! Não era suficiente o que já tinha sido mostrado de violência gratuita e efeitos porcos que tentam justificar o 3D do filme, então lascaram mais. Desnecessário? Não, imagina...

Agora vem a cena com as Nurses. Ahhh, as Nurses...

O local em si já começa esquisito, dois fachos de luz enormes no centro da sala (antes elas reagiam à luz, agora não mais). OK, a ambientação de uma sala de "hospital" convence. Os caras d’O Culto entram com Vincent preso em uma maca e as Nurses os atacam. Quando o movimento acaba, elas param (então você já sabe, elas reagem ao movimento, agora). A cena toda já havia vazado quase inteira antes e é dispensável, exceto pela parte retardada onde Heather brota devagarzinho ao lado de Vincent (é absurdo, eu ri muito nessa parte xD). Ah, detalhe: reparem nas radiografias penduradas pela sala...

Heather foge com Vincent e vai até a entrada do santuário, que fica onde? TCHARAM! No parque de diversões! alguém aí reagiu dizendo "Ela previu isso desde o começo, ohhh!"? xD
Vincent diz que as pessoas da Ordem são chamadas de Brethren (santa mariquinha, de onde tiraram isso?! O_o) e que elas usam máscaras porque acham que o ar de Silent Hill as corrompe.

A cena do carrossel é... passável, mas não funciona tão bem como deveria. É hilário ver a Memory of Alessa gaguejando quando fala (isso sem citar o Pyramid Head e seu trabalho de meio período de novo xD), e o efeito dela se dissolvendo é desnecessário e podia ter sido muito mais bem feito. Ao menos o carrossel "entra no chão" e abre o caminho até o templo/santuário/capela (igual ao jogo).

Monte de blábláblá sobre a Ordem (coisa mais chata, desde o primeiro filme!) e vem a parte mais ridícula de todo o filme. Heather entrega o amuleto a Claudia, ela o toca e vemos quem ela realmente é: aquele bicho que atacou Douglas (alguém ainda lembra dele, com a atuação de 2 minutos? :P), e que eu apelidei carinhosamente de "mulher peituda sado-maso". OK, respire fundo e continue... só que não!

Quando o bicho vai atacar Heather, quem aparece para defendê-la? não, não é o Capitão América

Cara, o Pyramid Head segura o golpe do bicho com a faca (agora, ao menos, é a original!), mas... WTF?!?!?!?!

Sério, essa cena, de tão absurdamente ridícula, só precisava de um toque: brotar uma voz grave do Além dizendo "Round 1... FIGHT!". O Pyramid Head e o bicho cujo nome eu não faço idéia de qual seja simplesmente começam a lutar entre si! É idêntico à cena de qualquer filme de luta, exceto que no final, [sarcasmo] como ainda não teve nada gratuito nesse filme [/sarcasmo], o PH decepa a cabeça do bicho (e ela voa na tela ohhhh, o 3D...). Eu JURO que na minha cabeça ouvi a mesma voz do FIGHT! agora dizendo FATALITY!. Acha que depois disso ele (o PH) vai atacar Heather ou Harry? Rá, que nada, ele vira e vai embora, simples assim!

Ah, o filme está acabando, agora com certeza virá algo legal, pelo menos o desfecho vai ser decente, não é? vai sonhando...
Harry, Heather e Vincent já aparecem andando pelas ruas de Silent Hill e Heather comenta que as cinzas pararam e o pesadelo de Alessa acabou. OK, até aí beleza. Eis que Harry vira e diz que "outra virá". Mas hein?! O_o

Respire fundo, pense positivo e espere, ainda não está tudo estragado. Harry continua (ou melhor, não continua) e diz que ficará na cidade, porque precisa procurar pela mãe de Heather (ou seja, Rose que apareceu no filme por super 2 minutos, uhul!). Harry ficando em Silent Hill, OK...

Conte até 783 (porque até 10 é pouco), segure-se e espere o próximo diálogo.
"— Vincent, cuide de minha garotinha, ouviu?
— Acho que ela não precisa de mim para isso."

Harry meio que entrega Heather de bandeja para Vincent, que ele mal conhece, mas enfim...

Conseguiu ter forças para assistir mais? Tudo bem, eu também tive. Então Harry fica parado no meio da rua e a neblina simplesmente desaparece, levando ele junto!!1!!1!!!!1!um!!! Silent Hill sem neblina, aham, claro...

O casalzinho feliz aparece andando pela rua e brota um caminhão na estrada atrás deles.
Eu sei, você já entendeu logo de cara quem é e o que vai acontecer (não dá pra não reconhecer, quem já jogou percebe na hora). Eles pedem carona, entram e o caminhoneiro se apresenta: Fred (#brinks, é Travis Grady mesmo :P). Lascaram o Travis no meio (ou melhor, no fim) da história! Oh Gawd! D:

Todos eles saem de caminhão e aparece a placa "Você está deixando Silent Hill". Depois de dar uma bela suspirada pela coisa grotesca que assistiu até agora, você vê que começam a surgir carros de polícia. Não entre em pânico, eles não ressuscitaram a Cybil (infelizmente). Foi coisa pior!
Escolta policial, ônibus da prisão... Hã? Hã? Percebeu a deixa? Éééééé, Murphy Pendleton está chegando a Silent Hill #sqn

Acabou o filme, você se arrependeu ou não, vai saber... de ter desperdiçado 1 hora e meia de sua vida e agora vou recapitular o que eu percebi e analisei.
As atuações são absurdamente curtas e superficiais porque as falas e participações dos personagens são quase nulas (exceto por Heather e Vincent), então nem ao menos dá pra julgar. Os cenários com a representação do Mundo Alternativo ficaram legais, mas também aparecem por tão pouco tempo que você mal consegue prestar atenção nos detalhes na primeira vez em que assiste. As criaturas do filme são ridículas (destaque pro Pyramid Head sendo rebaixado). Os efeitos, na maioria, são desnecessários e sofríveis, nem mesmo justificam o uso do tãããããão incansavelmente destacado 3D estereoscópico do filme. Some a isso o fato de ficarem brotando cenas tiradas do primeiro fime, como se dissessem "ó, estou fazendo igual era antes" #sqn. O exagero nas mortes violentas (com cabeças e dedos decepados) é ridícula e não se justifica de jeito algum. Sobrou o que pra criticar? Ah é, a trilha sonora, claro!

A única coisa que me deu uma pontinha minúscula de esperança foi a trilha sonora do filme, porque foi anunciado durante a produção que Akira Yamaoka cuidaria dela. O problema é que eu ainda fico me perguntando ONDE foi que ele ajudou, exceto nas músicas perceptivelmente tiradas dos jogos (que são poucas, diga-se de passagem). Foi dito que o diretor pediu a Jeff Danna (o cara que monta a trilha sonora, junto com Akira Yamaoka) para fazer uma trilha com temas mais orquestrados, só que todo mundo percebe que não deu certo! As músicas ficaram sem identidade, soam genéricas demais, como toda música de filme Hollywoodiano. Some a isso tocar pela bilionésima vez a Promise (Reprise), que já tinha enchido o saco de tanto aparecer no primeiro filme. Nem mesmo a trilha sonora de Silent Hill Revelation se salva, então não há motivo algum para eu reassistir essa coisa.

E chega, é isso. Bola muito fora da Konami por ter deixado a direção (e pior, o roteiro!!!) do filme nas mãos de um cara que fez 3 filmes antes desse (sendo 2 totalmente desconhecidos e outro considerado extremamente fraco). Não sei se é parte culpa dos produtores e tal, sei lá quem escolhe o diretor, sei que certamente o filme agradaria mais se tivesse alguém com um pouco mais de experiência ou, quem sabe, se trouxessem Christophe Gans de volta. Raios, custava pegar alguém que conhecia o jogo e sabia o que estava fazendo? Aí deu nisso, essa coisa comercial/gore horrível ¬¬

3 comentários:

  1. Olá, acabei de assistir ao filme e concordo com a critica, o filme realmente deixou muito a desejar( mesmo já esperando algo do gênero), mas queria dar minha opinião sobre a parte da luta final( FIGHT! Lol), no momento precedente, onde Heather e Claudia conversam, quando Claudia toca o rosto de Heather e ela meio que "sente", o PH se solta das correntes presas em suas costas, meio que reagindo aquele momento, ao meu ver, Heather após ter possuido Alessa, adquiri seus "poderes", dai depois de se soltar das correntes, PH vem "ao resgate" de Heather, impedindo que Claudao a mate( Apesar que também não intendi porque Claudia a mataria depois de finalmente a ter onde queria, para ser o vaso do "Deus" que seria invocado), mas enfim... acho que PH salvou a Heather e depois foi embora justamente porque ela tinha absorvido Alessa.

    Abraço e obrigado pela ótima review.

    ResponderExcluir
  2. Olá, acabei de assistir ao filme e concordo com a critica, o filme realmente deixou muito a desejar( mesmo já esperando algo do gênero), mas queria dar minha opinião sobre a parte da luta final( FIGHT! Lol), no momento precedente, onde Heather e Claudia conversam, quando Claudia toca o rosto de Heather e ela meio que "sente", o PH se solta das correntes presas em suas costas, meio que reagindo aquele momento, ao meu ver, Heather após ter possuido Alessa, adquiri seus "poderes", dai depois de se soltar das correntes, PH vem "ao resgate" de Heather, impedindo que Claudao a mate( Apesar que também não intendi porque Claudia a mataria depois de finalmente a ter onde queria, para ser o vaso do "Deus" que seria invocado), mas enfim... acho que PH salvou a Heather e depois foi embora justamente porque ela tinha absorvido Alessa.

    Abraço e obrigado pela ótima review.

    ResponderExcluir
  3. eu já assisti o filme, mas não concordo tanto
    quero deixar bem claro q não estou criticando sua crítica, mas, na minha opnião, o filme não ficou tão ruim, ficou até bem explicado
    a Alessa do filme não era a Memory of Alessa do jogo, pois no filme ela continua viva
    pelo q entendi, ela estava no hospital, e depois de curada, se uniu a Dark Alessa e criou essa atual
    e o Pyramid Head é o guarda da Alessa, tem o dever de protege-la, por isso ele estava girando o troço do Carrossel
    mas tbm achei mt mal explicado a Alessa estar num lugar onde leva a Igreja que queimou ela e principalmente pq mandou o PH fazer tal coisa
    e numa visão geral, achei q o filme ficou meio chato pq ficou mais ligado ao Gênero de Ação do que do de Terror
    q deveria ser
    bem, é isso
    parabens pela Crítica e raxei quando disse do ''Fight'' kkkkkkkk

    ResponderExcluir

• Faça pedido de parceria somente na página reservada para isso.

Não aceitamos comentários ofensivos. Se quiser criticar a postagem, critique com educação.

Spams não serão aceitos. Aqui não é lugar para você divulgar seu site, blog ou seja lá o que for.

• Lembre-se de que o Vai Assistindo possui mais de um autor. Portanto, a crítica de cada um deles não expressa a opinião de todos os outros autores. Procure ver logo abaixo do título de cada postagem o nome do autor que a criou.

• As opiniões expressas nos comentários não refletem as dos autores do blog.