18 de dez de 2012

Seven: Os Sete Crimes Capitais (Seven)

Título no Brasil: Seven - Os Sete Crimes Capitais / Seven - Os Sete Pecados Capitais
Título Original: Se7en
País de Origem: EUA
Gênero: Policial
Classificação etária: 18 anos
Tempo de Duração: 127 minutos
Ano de Lançamento: 1995
Estúdio/Distrib.: Playarte Home Video
Direção: David Fincher  Sinopse

Elenco: Brad Pitt (Detective David Mills), Morgan Freeman (Detective Lt. William Somerset), Gwyneth Paltrow (Tracy Mills), R. Lee Ermey (Police Captain), Andrew Kevin Walker (Dead Man), Daniel Zacapa (Detective Taylor), [+] 

Sinopse: Dois policiais, um jovem e impetuoso (Brad Pitt) e o outro maduro e prestes a se aposentar (Morgan Freeman), são encarregados de uma periogosa investigação: encontrar um serial killer que mata as pessoas seguindo a ordem dos sete pecados capitais.

Vai Lendo!  

"Querendo que uma pessoa te dê atenção.. não basta simplesmente dar-lhe uns tapinhas nos ombros. Você tem que dar uma marretada, e então você terá dela total atenção."

John Doe - Seven

Se não me engano, assisti esse filme mais de cinco vezes. E não canso. Posso assistir mais cinco vezes e mais outras vinte, que pelo visto sempre vou gostar dele. Seven e Silêncio do Inocentes são meus filmes sobre serial killer favoritos. Acredito gostar mais de Seven e mais do John Doe (serial killer do filme) do que de Silêncio do Inocentes e do Hannibal. Mas enfim, não estou comparando, os dois filmes são excelentes. De qualquer forma, avisarei agora no início do que no final do post (como costumo fazer): se você gosta de filmes de suspense inteligentes e bem feitos, assista Seven. Você tem que ver esse filme!


A abertura do filme é show. Explica várias coisas. Preste atenção nela. Logo depois conhecemos melhor os detetives principais da trama: Somerset (Morgan Freeman) e Mills (Prad Pitt). Um é praticamente o oposto do outro. Somerset trabalha há tempos como detetive, tem muita experiência, calma, paciência, sabe ser mais frio e pensar mais antes de fazer algo. O Mills é quase um "cavalo selvagem": impaciente, teimoso, impulsivo e age antes de pensar. Também é novo em vários sentidos: é mais jovem, é novo na cidade e não tem tanta experiência na profissão como Somerset. Essa diferença entre os dois é muito bem explorada e torna a história ainda mais interessante.

E quantos Mills não conhecemos por aí?

Somerset está prestes a se aposentar, deixando seu cargo de detetive para Mills, quando dois assassinatos chamam sua atenção: um obeso mórbido "morre de tanto comer" e um advogado famoso na cidade tem parte de sua bacia e barriga cortados (sangrando até morrer) e escrito na parede estava: COBIÇA.  Somerset logo tem certeza de se tratar de um padrão e rapidamente sua teoria se confirma ao encontrar a palavra GULA no apartamento do obeso. Não contarei mais nada do filme aqui nessa parte da postagem (deixarei spoilers no final), mas já deu para entender como se desenrola a trama e do que se trata o filme. E não, Seven não tem frescuras. Mostra uma ou outra cena nojenta, uma ou outra cena que muitos considerariam fortes... Em poucas palavras: Seven mostra exatamente o necessário, sem censurar demais, porém também sem ser muito apelativo.    
E qual é a grande sacada do filme? Simplesmente tudo. Não é só o plano do serial killer que é brilhante (e acredite: é brilhante mesmo!). Todo o resto deixou o filme praticamente perfeito: a construção minuciosa da personalidade dos personagens principais, a maneira que cada um age de acordo com a sua personalidande e assim influenciando os acontecimentos, os argumentos fortes e convincentes do psicopata (e que você poderá acabar concordando com ele! ou não) , a perfeição com que cada pecado foi usado contra o próprio pecador e por aí vai. Certamente há falhas no filme, mas nenhuma, nenhuma mesmo, foi grande o suficiente para estragar a beleza dele.


E somado a essa história inteligente, intrigante e envolvente, ainda temos um elenco de peso, atuando de forma incrível. Freeman sendo o grande ator que ele é (como de costume) e Pitt nos passando raiva (exatamente o que o personagem pedia). Os outros atores também foram ótimos.
O ambiente de Seven também ficou fantástico: aquela coisa depressiva e sufocante. Quase sempre está chovendo, quase todos os lugares são feios e acabados, tons cinzas e cores pálidas marcam presença em praticamente todas as cenas. Nos faz sentirmos como se a cidade fosse podre, que não há esperanças de nada melhorar e de que todas as pessoas são ruins. Os únicos lugares bons e convidativos são a biblioteca e o apartamento do casal David e Tracy Mills (e olhe lá!). Fora isso, nada nos dá esperança, nada nos sugere algo bom em relação ao ser humano. Esse é o sentimento que o filme queria nos passar e passa com sucesso absoluto.


Seven é portanto um filme incrível. Inteligente do início ao fim. Bem feito do início ao fim. Sem falar que nos faz pensarmos sobre muitas coisas, como por exemplo: a que caminho anda a humanidade? Quando vamos acordar para certas coisas? Será que tudo precisa ser tão ruim? Enfim, o filme te faz pensar muito. E isso é ótimo.

Nota (0-10): 10

Trailer sem legendas em HQ


Trailer com legendas


CURIOSIDADES 
  • Roberto Miguel Rey Júnior, conhecido como Robert Rey no reality show Dr. 90210 (no Brasil Dr. Hollywood), foi consultor médico neste filme.
  • Enquanto filmava uma cena, Brad Pitt machucou o braço seriamente em um para-brisa. O acidente foi usado pelo roteiro, fazendo com que o fato tenha acontecido com o personagem também.  
  • A vítima amarrada em uma cama não era um boneco, e sim, um ator muito magro que parecia com um cadáver. 
  • Morgan Freeman segurou de forma errada a arma de seu personagem durante as filmagens. Policiais verdadeiros alertaram o ator sobre o erro e o ensinaram. 
  • Uma versão do roteiro contém uma cena final em que Mills escreve uma carta para Somerset avisando: “Você estava certo. Você estava certo sobre tudo”. 
  • Mills e Somerset discutem o livro Servidão Humana, de W. Somerset Maugham. 
  • O assassino John Doe é manco, assim como o protagonista Philip Carey, do livro Servidão Humana. 
  • A New Line queria mudar o final do longa. Brad Pitt ameaçou deixar a produção se isso acontecesse. 
  • Charles S. Dutton faz uma ponta como um policial que mantém a imprensa fora da cena do crime "ganância" (cobiça). 
  • Andrew Kevin Walker, roteirista do longa, faz uma ponta como o primeiro cadáver visto em cena. 
  • O roteiro do filme demorou dois anos para ficar pronto. 
  • O vocalista da banda R.E.M, Michael Stipe, foi considerado para viver John Doe. 
  • Se preparando para a traumática cena da interrogação, Leland Orser decidiu respirar muito rápido e ficar sem dormir durante dias, fazendo com que a cena se tornasse a mais real possível. 
  • O filho de Morgan Freeman, Alfonso Freeman, faz uma ponta como um técnico em impressão digital. 
  • Denzel Washington desistiu de viver o protagonista Mills. 
  • A música que toca no final do filme é “6ix”, de Evan Dando, presente no álbum Car, Button, Cloth. 
  • O thriller foi eleito como o oitavo mais assustador pelo Entertainment Weekly. 
  • David Cronenberg recebeu a oferta de dirigir o filme, mas não aceitou. 
  • Kevin Spacey perguntou para Fincher se seria preciso que raspasse a cabeça para viver o personagem. O cineasta disse: “Se você fizer isso, eu também faço!”. Ambos estavam carecas durante as filmagens. 
  • Brad Pitt ganhou US$ 7 milhões para fazer o filme. 
  • R. Lee Ermey fez teste para viver John Doe. Como Kevin Spacey foi quem ficou com o papel, o ator acabou ficando com o personagem do capitão. 
  • Kevin Spacey pediu para que o seu nome não aparecesse nos créditos iniciais, fazendo com que a participação do ator fosse uma surpresa para os espectadores. Para compensar, nos créditos finais o nome do ator é o primeiro que aparece. 
  • Nenhum material publicitário do filme contém Kevin Spacey.
  • Considerado como um dos assassinos mais perigosos do cinema, John Doe não é visto cometendo nenhum assassinato no longa.
Mais um pouco sobre o filme (SPOILER)

- Os pecados são (ordem em que aparecem no filme): Gula, Cobiça (avareza/ganância), Preguiça, Luxúria, Vaidade (orgulho), Inveja e Ira. Cada pecador morre de acordo com o seu pecado. Preste atenção nisso, é interessante.

- Perceba como que era necessária a morte de uma determinada personagem no final. Essa morte que transforma a última vítima em Ira.

- Perceba como que, por mais que tente, Mills não consegue rebater os argumentos de John Doe.

- Se Mills tivesse seguido tudo o que Somerset dizia, muita coisa ruim não teria acontecido...

- Por favor: luxúria não vem de luxo (riqueza).

- Se você já assistiu o filme (legendado), por favor, veja essa cena do seriado How I Met Your Mother:


Nenhum comentário:

Postar um comentário

• Faça pedido de parceria somente na página reservada para isso.

Não aceitamos comentários ofensivos. Se quiser criticar a postagem, critique com educação.

Spams não serão aceitos. Aqui não é lugar para você divulgar seu site, blog ou seja lá o que for.

• Lembre-se de que o Vai Assistindo possui mais de um autor. Portanto, a crítica de cada um deles não expressa a opinião de todos os outros autores. Procure ver logo abaixo do título de cada postagem o nome do autor que a criou.

• As opiniões expressas nos comentários não refletem as dos autores do blog.