20 de out de 2012

Silent Hill (Sairento Hiru)


Antes de tudo gostaria de me apresentar. Sou conhecido virtualmente como James e tenho um site dedicado a Silent Hill, o SILENT HILL NET, que talvez alguns de vocês já conheçam. Desde pequeno sempre fui uma criança esquisita muito fã de filmes e mídias de horror. Tive contato com a série no ano de seu lançamento, 1999, e me apaixonei logo de cara por ter simplesmente todas as coisas pelas quais eu mais era, digamos, paranoico  ferrugem, neblina, sirenes e coisas estranhas. Quatro anos depois, logo após o lançamento de Silent Hill 3, decidi criar meu site e o resto é história. Agradeço aqui o pedido da Ninne para que eu escrevesse essas críticas, sinto-me honrado em tê-las publicadas no Vai Assistindo!

Minhas críticas serão feitas visando elucidar alguns pontos positivos e negativos de cada jogo. Elas expressam o meu ponto de vista que, friso bem, não deve ser tomado como definitivo ou representante da opinião geral. Não me julgo dono da verdade, não pretendo influenciar ninguém e muito menos quero difamar a série; trata-se de uma questão de opinião, espero que entendam e respeitem.

Alguns pontos que eu gostaria de esclarecer:

- tenho tendência a me empolgar quando falo de Silent Hill e escrever demais, portanto peço desculpas se a crítica ficar muito extensa;

- evito ao máximo colocar fotos e vídeos para, além de deixar mais leve para carregar e ler, não dar muitos spoilers e acabar parecendo que quero convencê-los a jogar apenas pelos gráficos;

- sei que a história do jogo é extremamente mais complexa do que o que colocarei aqui, porém acredito que a interpretação de cada um ajuda muito a aumentar a diversão e a vida útil do jogo. Somente por isso.

- sou apaixonado por Silent Hill mas tenho a humildade de criticar e reconhecer quando algo não é bem feito. Seria ignorância de minha parte fingir ser cego às coisas que não gosto simplesmente por ser fã da série.

Agora chega de enrolação, vamos ao primeiro jogo!





Silent Hill foi, como já dito, lançado no ano de 1999 (em 31 de Janeiro). Seu maior “rival”, Resident Evil, já havia sido lançado em 1996 e muitos dos jogadores logo trataram de taxar Silent Hill de “cópia”. Foi uma época em que os jogos eram lançados com pouca diferença de anos entre eles (Alone in the Dark também é da mesma época), mas percebe-se que não é, digamos, “certo” fazer tal comparação. São jogos diferentes visando públicos diferentes, apenas com um elemento (também nem tanto) em comum: serem de terror/horror.



Resident Evil tem seu foco na sobrevivência (todos já sabem a origem do gênero Survival Horror, não?), enquanto Silent Hill foca mais o lado psicológico e bizarro, evitando muitos elementos físicos como sustos bruscos e o uso de sangue em excesso. Por ter sua base no folclore japonês o jogo tem elementos diferentes de tudo o que já havia sido visto antes, embora fosse situado em uma cidade tipicamente Estadunidense. Com uma mistura enorme de diversas mitologias e mídias, não há como especificar um gênero senão o que o próprio jogo definiu: o Horror Psicológico/Psychological Horror. Tenho o costume de, para me situar mais fácil, classificar mídias de Terror como sendo as mais físicas (que também gosto, mas não tanto) e como Horror as mais psicológicas/sobrenaturais (pelas quais sou abertamente apaixonado). Mas de volta ao jogo...


A trama inicial de Silent Hill fala sobre pai e filha (Harry e Cheryl Mason) que viajam em suas férias até a cidade de mesmo nome. Durante a viagem uma pessoa no meio da estrada faz com que Harry desvie o carro bruscamente, causando um acidente. Após acordar do acidente Harry percebe que Cheryl está desaparecida e sai em sua busca por toda a cidade. Durante a jornada ele descobre que a cidade aparentemente abandonada esconde muitos outros mistérios e que Cheryl parece ter relação direta com eles. Não posso revelar mais porque isso acabaria com a graça do jogo, mas a trama torna-se mais densa e confusa e não explica tudo o que acontece (o que torna Silent Hill muito mais interessante).

O gráfico do jogo é mediano, considerando-se puramente a qualidade/resolução. Obviamente levo em conta a época em que ele foi lançado, pois no PS1 não era possível criar gráficos tão perfeitos. Um dos fatores que justificam a resolução menor é que o jogo não possui cenários fixos, todos eles são em 3D dinâmico e você pode usar a câmera para olhar ao redor, apesar de haver certo limite. Embora não tivesse resolução muito boa, os cenários foram tão bem construídos que isso chega a passar despercebido. No mundo “real” a cidade é comum, apenas abandonada e com uma névoa sempre presente (resultado de uma adaptação ao Hardware do PS1, que não conseguia gerar dinamicamente a construção da cidade no horizonte).

É quando a realidade muda para o chamado “mundo alternativo” (ou Outro Mundo) que Silent Hill mostra porque é uma cidade tão famosa e tornou a série tão conhecida. Uma sirene começa a soar, as ruas dão lugar a corredores de grades, construções decadentes, salas sujas e bagunçadas, tudo é coberto por ferrugem, os ângulos de câmera tornam-se bizarros e a cidade é infestada por uma leva de criaturas grotescas, parecidas com o pior pesadelo de alguém.


Outro fator importante é que na transição entre os mundos a luz some completamente. Para lidar com isso Harry conta com uma pequena lanterna de bolso, que se tornou marca registrada da série. Para lutar com as criaturas ele tem à disposição uma quantidade limitada de equipamentos, que vão desde uma pequena faca de cozinha a algumas armas brancas (canos e picaretas) ou de fogo. Há também armas extras abertas depois de terminar o jogo uma vez. A munição não é tão escassa, porém deve ser usada com cautela. À falta dela não há motivo para desespero, já que, exceto pelos chefes de fase, você pode simplesmente fugir de todos os bichos que encontra.

Apesar da aparência a cidade não é completamente desabitada. Outros personagens aparecem, seja para ajudar Harry em sua busca, dar mais informações ou até mesmo confundi-lo com revelações. Cada personagem tem certa aura de mistério e o passado e futuro de vários deles não são diretamente revelados (alguns serão relembrados em outros jogos, mas isso é assunto para uma próxima crítica ;D).

Outro elemento da série que virou marca registrada é um pequeno rádio que Harry encontra logo no início do jogo e que emite estática sempre que alguma criatura está por perto. Parece simples e inútil, mas depois de alguns minutos de jogo e confrontos com os bichos mais estranhos que você já viu, o mero chiado do rádio começa a causar certo pânico.

O combate no jogo é sempre marcado por uma mecânica considerada “ruim”, mas que faz jus ao protagonista: Harry luta de forma desengonçada, pois não tem domínio sobre o uso de armas brancas ou de fogo. Como o foco do jogo não é exatamente o confronto direto (como dito acima, você pode correr e deixar tudo para trás), isso não chega a prejudicar.


Para adicionar mais dinâmica ao jogo há os famigerados enigmas, alguns de fritar o cérebro de qualquer um. São rimas e poemas estranhos, alguns macabros, combinações de itens e chaves com significados obscuros (mas todos explicáveis) e que te obrigam às vezes a visitar locais onde definitivamente você não gostaria de estar caso não fosse necessário.

A trilha sonora é tão bem composta e combina tanto com o jogo que se tornou um elemento à parte. Akira Yamaoka conseguiu capturar perfeitamente a atmosfera do jogo e, usando sons metálicos combinados com melodias distorcidas e canções marcantes (o tema de Lisa é simplesmente inesquecível!), definiu um marco e um gênero que ainda hoje muitos não conseguem definir. Ouvir as músicas logo após terminar o jogo causará quase as mesmas sensações que ouvi-las enquanto se joga.

Para terminar, o jogo tem vários finais, que dependem de certas ações que você executa (ou não executa). Hoje isso é comum, mas na época, ter cinco finais diferentes era algo que não se via com freqüência. Dentre os cinco, há um final chamado de UFO (OVNI), conhecido por ser cômico e criado para aliviar um pouco da tensão.

O único ponto considerado negativo, mas que eu não acho que prejudique o andamento do jogo, são os diálogos. Como não era possível gravar tudo de uma única vez, as falas eram executadas uma após a outra, deixando uma pausa de mais ou menos um segundo entre cada frase. A dublagem dos atores também não é muito emotiva, mas o conteúdo das conversas compensa tudo.

A combinação de cenários obscuros, trilha sonora e narrativa pesadas, itens peculiares, enigmas muito bem formados e personagens cativantes fez com que Silent Hill criasse uma legião de fãs, que ainda hoje consideram o primeiro jogo como uma obra prima e o melhor de toda a série. Sou suspeito de falar já que tenho um site inteiro dedicado à série, mas sou um dos que prefere, dentre todos, o Silent Hill que iniciou a saga e, mesmo depois de treze anos, continua atual e ainda é referência para muitos outros jogos e obras.

O veredicto final é um dez com louvor, pois se trata de um jogo único e que se tornou marcante por suas características bizarras e que te prendem até o fim. Há, é claro, muita gente que não gosta, mas para os que gostam do gênero Horror e estão (ou pretendem ficar) acostumados aos elementos do horror Japonês, esse é definitivamente um prato cheio!

FICHA DO JOGO

Título original: Silent Hill (Sairento Hiru)

Gênero: Horror Psicológico

Número de jogadores: 1

Lançamento: 31 de Janeiro de 1999

Criado, desenvolvido e publicado por: Konami Corporation

Console: PlayStation®

Outro(s) console(s): nenhum

Nenhum comentário:

Postar um comentário

• Faça pedido de parceria somente na página reservada para isso.

Não aceitamos comentários ofensivos. Se quiser criticar a postagem, critique com educação.

Spams não serão aceitos. Aqui não é lugar para você divulgar seu site, blog ou seja lá o que for.

• Lembre-se de que o Vai Assistindo possui mais de um autor. Portanto, a crítica de cada um deles não expressa a opinião de todos os outros autores. Procure ver logo abaixo do título de cada postagem o nome do autor que a criou.

• As opiniões expressas nos comentários não refletem as dos autores do blog.