25 de out de 2012

Silent Hill Homecoming

Clique na imagem para acessar todas as postagens do especial. Clique aqui e acesse o SILENT HILL NET.

AVISO! (é, de novo :P)

Homecoming foi o último jogo da série que joguei. Último no sentido de "tive acesso a ele por último". Foi a pior experiência com Silent Hill que já tive, já adianto a todos, logo essa crítica soará muito como apenas destrutiva, porém não é o caso. Eu simplesmente não gostei, mesmo, do jogo e espero que consiga fazê-los compreender o porquê. Toda crítica tem, sim, um lado pessoal e um comparativo com obras semelhantes (do contrário, que parâmetros teríamos?) e é exatamente esse meu objetivo. Spoilers? Oh yeah, baby!

Um bom tempo depois de 0rigins, entre falsos rumores e notícias infundadas, eis que brota das profundezas o novo rebento da antes melhor série de horror do mundo. Homecoming vinha como fruto da colaboração entre Konami e a famosa (?) empresa Double Helix, cujos jogos agora me fogem à memória (ou são inexistentes mesmo, nada mais me lembro). Como eu já tinha aprendido a manter as expectativas baixas depois de Silent Hill 4, já esperava que esse novo fosse um fiasco total. Cansei de ver vídeos e fotos de divulgação e definitivamente eles me desagradaram.




[co-co-co-combo breaker!]

Ahhh James, então você julga um jogo vendo vídeos e fotos? Que bela crítica hein?

Muita calma nessa hora, devagar aí... Eu realmente detestei tudo o que vi e cheguei a anunciar, para mim, a morte da série junto com o lançamento de Homecoming. Mas pensem comigo: a divulgação, seja de jogos, filmes ou o que for, tem como objetivo atrair os clientes/fãs mostrando tudo o que tem de melhor (o pessoal daqui, fã de filmes como é, sabe muito bem como trailers foram feitos para enganar). Se os vídeos e fotos do jogo, que teoricamente são o melhor, já me decepcionaram, imagine a experiência no geral, que ainda deveria ter pontos mais negativos? E mais, eu joguei, SIM, até o final (não sei de onde tirei forças, mas consegui terminar xD).



Primeiro vou explicar o que vi e não gostei. O protagonista, Alex Shepherd, é um militar recém-chegado de uma guerra. Isso trazia ao jogo uma mecânica totalmente diferente de todos os anteriores (cujo combate estamos carecas de saber que era horrível, mas convencia pois os personagens não tinham treinamento algum). Agora com um soldado que domina armas de fogo, armas brancas e combate corpo-a-corpo, cadê o instinto de sobrevivência? Cadê a claustrofobia e o medo de não conseguir dar conta dos inimigos? Armado até os dentes, Alex quase não teria páreo.

Ah, James, mas aí o combate fica mais legal, o jogo tem mais ação...

Ih, mas é exatamente esse o problema! Quem ainda não sabe que o foco em Silent Hill é o horror psicológico? O pavor de estar isolado e se sentir indefeso diante das manifestações mais obscuras que a cidade trazia? Aconteceu o mesmo com o "concorrente" com o qual acredito que posso compará-lo (simplesmente por ter ocorrido a mesma coisa), Resident Evil 4: foi um ótimo jogo de ação (não sei porque não curto a série), mas de Resident Evil ele não tem nada, exatamente por ter excesso de ação. Com Resident Evil 5 isso ficou ainda mais evidente, entopem o jogo de armas e, para o Survival Horror fazer sentido, o que há para ser feito? Encher o jogo com inimigos everywhere, criaturas gigantescas e quase indefensáveis. Não foi diferente com Homecoming.

Aí saem várias fotos dos ambientes/cenários. Convenciam, mas eram um mais claro que o outro, não havia a necessidade de uma lanterna (Silent Hill 4 mandou lembranças). Também não pareciam muito "Silenthillescos", lembravam demais salas de tortura e coisas Ocidentais do tipo. OK, eu podia estar enganado. Então vi fotos dos cenários no mundo Alternativo e foi a primeira coisa que me chamou a atenção: ferrugem, novamente, resolução boa, texturas legais e inimigos bizarros, coisa típica e que sempre me agrada.

Quando começaram a sair fotos da jogabilidade eu desanimei ainda mais... Surgiram as Nurses, mas com visual totalmente copiado do filme (originalidade pra quê, né?). Em um dos vídeos Alex está no banheiro quando de repente uma sirene soa e tudo começa a ficar alternativo. A última porta do banheiro se abre e uma enfermeira ataca. Em outra parte há um quadro na parede, que Alex rasga para poder passar. Há também inimigos "novos", que fazem parte d’O Culto, vestidos com roupas de mineradores. Familiar, não? (detalhe: sim, o filme já havia saído, antes de Homecoming). Copiaram do filme também o efeito de transição para o mundo Alternativo, mas isso eu não critico já que era algo visualmente ótimo. O problema foi colocarem uma sirene estranha que começava a aumentar e... parava! É um detalhe besta, mas já que estavam copiando, que o fizessem direito.

Aí surgiu o fato que acabou com tudo. Os caras viram que a reação dos fãs não estava sendo das melhores e devem ter pensado "Os fãs são burros, vamos colocar algo icônico no jogo para agradá-los!". Como disse em outra crítica, não sou xiita, simplesmente me nego a aceitar qualquer coisa que me jogam goela abaixo simplesmente porque tem a ver com Silent Hill. Meu senso crítico é razoável e fã cego é uma das piores pragas do mundo. Adivinhem QUEM escalaram para aparecer no jogo?

Nem espero a resposta, tenho certeza que todo mundo pensou a mesma coisa e acertou. Pyramid Head, o ser mais aclamado da série, foi estuprado explorado mais uma vez! Sério, fiquei com pena dele, coitado do cara! Não dão sossego um minuto sequer, TUDO relacionado a Silent Hill tem que ter ele no meio. Sério mesmo?

OK, depois de anunciar a morte da série com tudo isso, ainda vem mais sobre a trama. Alex volta da guerra e encontra sua mãe em estado quase catatônico, murmurando que o irmão dele sumiu. No meio da confusão Sessão da Tarde feelings ainda brotam pessoas da cidade que fazem parte d’O Culto (é, aquele do filme) e usam de novo o Halo of the Sun como brasão (lembram dele? Em Silent Hill 3?). Só faltava agora o Robbie aparecer e... OH, WAIT! OH, NO!!!

É sério, até mesmo a pobre mascote do parque de Silent Hill 3 aparece de novo! Tem mais coisa pra copiarem de SH3? Ah, sei lá, vai que copiam os inimigos e... OH, WAIT²!

Foi indescritível minha reação. OK, a cópia não é descarada e não é a mesma criatura, mas lembram do Closer, com aqueles braços gigantescos? Pois é, tem um inimigo em Homecoming (o Siam, se não me engano) que também tem braços enormes! Quando vi primeiro achei que fosse o Closer, mas depois reparei que era um pouco diferente. E tem também os cachorros, que nem reclamo mais de serem copiados... E ainda mais, fizeram um "Armless Man 2.0", inventando uma criatura em brasa que jorrava fumaça e "ácido" (confere isso, Arnaldo?). Chega das criaturas.

Surgiram mais personagens. Um caminhoneiro que muitos (inclusive eu) juravam ser Travis, mas que grazadels acabou não sendo (não lembro o nome dele). Elle, amiguinha de Alex e, já era óbvio, paixonite dele. Holloway, juíza da cidade e mãe de Elle. Nada de tão interessante.

Na época fiquei tão desmotivado que nem mesmo atualizei meu site com mais informações sobre o jogo (podem ver, ainda está lá sem quase nada...). Esperei, não tenho certeza, uns cinco anos até finalmente poder jogá-lo (óbvio que nunca tive vontade de comprar, um amigo me emprestou a versão de PS3, já que não jogo nada no PC). E agora posso dizer com categoria... O jogo é ainda pior do que eu imaginava!

Vamos começar a malhar o Judas apresentar os fatos. O jogo começa com Alex preso em uma maca, sem saber o motivo. Ele é levado pelo corredor de um hospital e vê cenas "chocantes" nas salas por onde passa. Chegando a um quarto, ele é deixado sozinho e você passa a ter o controle. Liberta-se das amarras e começa a explorar o ambiente. O gráfico do jogo não deixa a desejar quanto à resolução, aproveitaram bem o potencial da geração. Você anda um pouco e percebe logo de cara que o jogo faz uso meio excessivo de sangue, pois há corpos decepados pelo chão e sobre as macas. Um sustinho barato é a parte mais irrisória do começo. Josh, o irmão desaparecido de Alex, aparece em uma cela que obviamente está trancada. Ao tentar chegar até ele, Alex presencia pela primeira vez a transição para o mundo Alternativo, tal qual eu disse (exatamente igual ao filme). Primeiro inimigo, uma Enfermeira direto do filme, e vamos testar a mecânica do combate. Alex ataca com uma faca, a única arma que tem no momento, com movimentos rápidos e fracos ou lentos, porém mais fortes. As enfermeiras mostram no corpo as marcas dos cortes (e se mostram também inimigos absurdamente chatos de matar!). A esquiva de Alex ajuda, mas em locais mais estreitos ela quase não faz diferença.

OK, tchau enfermeira, olá ambiente Alternativo! Paredes metálicas cobertas de ferrugem, música/som de fundo esquisito, atmosfera típica de SH. Repetiram mais uma idéia do filme, dessa vez o ventilador da sala da caldeira (ele aparece em toda parte, é incrível!). A tela fica com um efeito chiado interessante, lembrando o Noise Effect dos anteriores. Você anda mais um pouco e chega à malfadada parte em que precisa enfiar a mão em um buraco na parede (de onde está saindo sangue, só pra constar...). Se você não conseguir responder aos comandos que aparecem na tela (sim, um QTE de esmagar botões), ocorre a primeira morte de Alex.

[pausa pro momento Flashback necessário]

Todos se lembram das mortes nos outros jogos? Se não, vou ajudar: o personagem simplesmente gritava e caía no chão. O que podiam fazer para diferenciar? Encher de sangue, já que o jogo é focado na ação, claro! E foi isso que fizeram, Alex começa a gritar desesperadamente e aparece sem o braço, com sangue jorrando por todo lado!!! Foi absurdo ver isso, já que em nenhum outro momento da série o uso de sangue foi assim tão gratuito. Houve os momentos das mortes em Silent Hill 4, porém nenhuma delas parecia tirada direto de um dos Jogos Mortais. Lastimável...

Continuando, você passa a enfrentar mais inimigos. O combate se mostra realmente focado na ação, outro ponto negativo. Os cenários começam a ficar repetitivos, são sempre estruturas alaranjadas/cor de ferrugem, sempre com a mesma música/som de fundo. Akira Yamaoka, agora ainda mais longe da equipe de produção, fez o que pôde, mas não conseguiu, obviamente, trazer a atmosfera que o jogo merecia. Músicas chatas, sons medianos e nem mesmo a voz de Mary Elizabeth nos temas conseguiu torná-los menos chatos (o tema de Alex, por exemplo, beira o insuportável). O som de fundo no mundo Alternativo é convincente, mas fica sempre na mesma coisa o tempo quase todo. O único destaque fica por conta do tema de Elle que, além de ter um arranjo extremamente bonito, é totalmente melancólico do jeito que a gente gosta.

É quando Elle aparece que o jogo começa a descambar mais. Os lugares que você visita tornam-se chatos (cemitério, ferro velho, esgoto) e aparece o Siam, que é somente o inimigo mais chato de todos. Forte demais, rápido demais para o peso que tem e irritantemente chato de acertar. Se houvesse uma maneira de fugir dele, ótimo, mas praticamente não há, já que ele quase sempre ataca em locais pequenos. O Smog (a "cópia" do Armless Man) também é bem irritante. Dos cachorros então, nem falo nada...

Em determinado momento você vê uma transição e Alex desmaia. Ele simplesmente acorda e está onde? Em Silent Hill! (é, todo o início do jogo é na cidade de Alex, Shepherd’s Glen). Não é uma reclamação, exceto pelo fato de logo ao lado dele aparecer uma placa da cidade exatamente igual à do filme (povo criativo, hein?).

Os "chefes de fase" do jogo são legais. Sim, sei reconhecer. O primeiro inimigo, gigantesco, apesar de extremamente fácil é muito interessante. A Asphyxia, então, é muito legal! Só não gostei da Scarlet e do "último inimigo", achei fracos.

Não faço muita questão de relembrar os momentos, por isso peço desculpas se deixar passar algum elemento importante. O que ainda há de ser destacado é que o coitado do Pyramid Head faz uma participação digna de figurante. Ele aparece, assusta Alex e vai embora. Depois volta, faz algo que não vou contar (mas que é absurdamente dispensável!) e... vai embora pra não voltar mais! Simples assim!

Junto com isso ainda há as outras mortes. A parte com a Juíza Holloway reforça ainda mais o que eu disse sobre o jogo parecer demais com Jogos Mortais. Serras elétricas, furadeiras e muito, muito sangue. Patético, no mínimo. Silent Hill jamais precisou apelar desse jeito.

Ah é, faltou falar sobre a atuação dos dubladores. Na maior parte ela consegue ser melhor que as anteriores (convenhamos, a dublagem jamais foi o forte de Silent Hill). Mas em certas partes a emoção das vozes é pífia, com menção honrosa à mãe de Alex. Nem mesmo uma pessoa catatônica tem tanta falta de expressão como ela. E detalhe: eu nunca tinha visto uma mãe parecer mais jovem que o filho! xD

A trama do jogo é até legal, você fica querendo saber o que vai acontecer no final ou por que Alex quer tanto achar o irmão. O desfecho, ao menos para mim, foi óbvio e o final do jogo foi um dos mais sem graça que já vi. Nem perdi tempo jogando de novo para fazer os outros finais, acabei vendo no VocêTubo e, acreditem, foi a melhor coisa que fiz. É um pior que o outro! Isso sem contar o final UFO/OVNI, que também está presente. Era tradição fazê-lo de forma cômica (aliás, era esse o objetivo dele!), mas o que colocaram em Homecoming foi... não sei nem a palavra... execrável, patético, ridículo, tosco, dispensável e todos os sinônimos. Talvez tenha sido esse o motivo do jogo ter sido cancelado no Japão...

Chega, já me doem os dedos digitar tanto sobre esse jogo que nem gosto xD

É um típico caso de dizer "passem longe dessa porcaria", mas não farei isso. Muita gente gosta do jogo, não sei o porquê, mas se ele tem a capacidade de agradar alguém, quem sabe você também não goste? Eu achei horrível e espero nunca mais precisar jogar de novo.


FICHA DO JOGO

Título original: Silent Hill Homecoming

Gênero: Horror Psicológico

Número de jogadores: 1

Lançamento: Novembro de 2008 (adiado de Setembro)

Criado, desenvolvido e publicado por: Konami Corporation e Double Helix

Console: PlayStation®3

Outro(s) console(s): XBox®360 e PC


Um comentário:

  1. mais e justamente isso.eles copiaram muitas coisas do filme porque ele foi um sucesso e isso nao e falta de ideias e sim uma homenagem,propaganda do filme.quanto a jogabilidade concordo com voce extremamente chata graficos bons mais nao otimos trilha sonora lembrava tipo um sentimento esquecido quanto ao silent hill 3 esse sim e forçado pois foi uma tentativa lamentavel de continua o primeirio titulo da saga e o mais deprimente e que muitos engoliram aquilo e ainda alegam que e o melhor da franquia.

    ResponderExcluir

• Faça pedido de parceria somente na página reservada para isso.

Não aceitamos comentários ofensivos. Se quiser criticar a postagem, critique com educação.

Spams não serão aceitos. Aqui não é lugar para você divulgar seu site, blog ou seja lá o que for.

• Lembre-se de que o Vai Assistindo possui mais de um autor. Portanto, a crítica de cada um deles não expressa a opinião de todos os outros autores. Procure ver logo abaixo do título de cada postagem o nome do autor que a criou.

• As opiniões expressas nos comentários não refletem as dos autores do blog.