16 de out de 2012

A Entidade (Sinister)

Título no Brasil: A Entidade
Título Original: Sinister
País de Origem: EUA
Gênero: Terror
Classificação etária: 14 anos
Tempo de Duração: 110 minutos
Ano de Lançamento: 2012
Estréia no Brasil: 12/10/2012
Estúdio/Distrib.: Paris Filmes
Direção: Scott Derrickson

Elenco: Ethan Hawke (Ellison Oswalt), Juliet Rylance (Tracy), Fred Dalton Thompson (Sheriff), James Ransone (Deputy), Michael Hall D'Addario (Trevor), Clare Foley (Ashley), Rob Riley (E.M.T.), Tavis Smiley (Anchor), [+].

Sinopse: Ellison (Ethan Hawke) é um escritor de romances policias que acaba de se mudar com a família. No sótão da nova casa ele descobre antigos rolos de filme, que trazem imagens de pessoas sendo mortas. Intrigado com o que elas representam e com um estranho símbolo presente nas imagens, ele e sua família logo passam a correr sério risco de morte.

Vai Lendo! 

Fiquei entre assistir Busca Implacável 2 e A Entidade, até que nos minutos finais decidi assistir A Entidade. Era sessão das 21 horas e sim meus caros, apesar de ter um blog sobre terror, sou as vezes bem medrosa e imaginei que se o filme fosse muito assustador, não conseguiria dormir de noite direito. E como saiu em vários lugares que A Entidade tinha tudo para ser o mais assustador dos últimos tempos, aí então que fiquei com um pé atrás. Mas fui ver!

 Contorcionismo na caixa também é um exercício.

Dependendo do horário de ir no cinema, realmente perde a graça. Sério. Se você vai de tarde, sessão que não costuma lotar, o povo parece que se comporta mais. De noite é bagunça. Passa uma mosca na frente da câmera e já tem gente gritando, chamando a mãe e fazendo mil e uma graças. Isso corta um pouco (muito) o clima de suspense do filme. Vejo também que muitos fazem isso por estarem com medo e riem para disfarçar. Seria bem engraçado, se não atrapalhasse quem está ali para de fato ver o filme. Mas ok, pelo visto sempre vai acontecer essas coisas...

 "Bate com força", já nos ensinou o filme Sinais.

Bom, então como podem imaginar, já perdeu um pouco a graça do suspense do filme e sim, A Entidade tem até um bom suspense. Não digo ótimo, apenas bom. O sustos, para você que assim como eu está acostumado com filmes de terror, são todos previsíveis. Aquela coisa do cara virar e ter alguém atrás dele, barulhos do nada e por aí vai. Tudo bem clichê. De todos os sustos, assustei apenas com um (e olhe lá!).

A história em si é até interessante: Ellison Oswalt (Ethan Hawke) se muda para uma casa onde uma família de quatro pessoas foi estranhamente enforcada numa árvore, lá no jardim. Ele utiliza esses assassinatos bizarros para escrever seus livros, que fazem muito sucesso. Tanto que todo mundo é fã dele e o cara  não passa de um arrogante imbecil (assim considerei ele). Obviamente Ellison se muda para a casa sem falar nada sobre o que aconteceu lá para a esposa. Coitada. Até que as crianças começam a fazer coisas estranhas e a situação fica cada vez mais bizarra.

Ok, tem bons sustos para os mais sensíveis e não acostumados com filmes de terror. Tem cenas interessantes, o bichão lá é até feinho e as sequencias de assassinato são esquisitonas. A trilha sonora bizarra, as vezes ajuda a manter um clima muito tenso e as vezes é só bizarra mesmo (chegando até a ser levemente engraçada). Dá uma certa tensão, pela forma como foi construída a história, mas não chega a ter um clímax forte o suficiente. Você espera tanto que algo trash aconteça e... nada. 

Queimando a fita da Samara.

Primeiro que enrola demais para acontecer alguma coisa mais assustadora e quando acontece nem é tão assustadora assim. Segundo, que a divindade obscura lá, que é a coisa mais assustadora do filme, foi pouco aproveitada. Aparece em algumas partes, dá um medinho, você acha que uma hora vai aparecer e você vai pular da poltrona, mas esse momento não chega. No final das contas utilizaram mais criancinhas com caras pintadas que, honestamente, não deram um pingo de medo. O demônio que poderia fazer coisas muito mais bizarras e dar muitos sustos, simplesmente não faz quase nada, aparecendo aqui e ali uma vez ou outra... Sem fortes emoções.

Ethan Hawke atuou bem, nada incrível, mas bem. Juliet Rylance (Tracy, a esposa), não aparece tanto quanto ele, mas convenceu. Não é uma atriz fraca e inexpressiva como muitas que tem por aí. Já as crianças não tiveram nada de especial. Nenhuma atuação brilhante como Jodelle Ferland em Silent Hill ou Isabelle Fuhrman em A Orfã. Poderiam realmente ter escolhido atores mirins melhores, bem melhores. Mais expressivos, mais convincentes... não sei. Só sei que os atores mirins foram fracos. 

 Sempre tem esses símbolos nos filmes que tem intuito de ser macabro. E raramente essas coisas dão medo...

A grande tentativa desse filme, pelo que me pareceu, foi causar perturbação. Acredito que os roteiristas, produtores e afins consideraram a história macabra demais (por envolver crianças e tal). Só que não é. Poderia ser, mas não conseguiu ser. Ficou apenas mais um filme de terror, um pouquinho acima da média em relação aos filmes lançados nos últimos 5 anos. Não é super macabro, existem filmes mais tensos. Não é assustador, a maioria dos sustos são previsíveis. Não dá muito medo, porque de certa forma a própria história inviabiliza um terror psicológico mais forte. Não vou dizer que é uma total perda de tempo. Que isso. Até compensa ver sim (se você estiver com paciência e com um dinheirinho tranquilo pra gastar). Mas se você já é muito acostumado com terror, com certeza não irá achar esse filme grandes coisas assim. O que esperamos de perturbação e coisas macabras, talvez Silent Hill: Revelation 3D irá nos proporcionar. E o medo talvez fique por conta do Mamá, que será lançado no ano que vem. Essas são as minhas apostas, porque por enquanto, nenhum terror desse ano me convenceu.

 Nota (0-10): 6,5 (Apesar dos pesares, é bem feito, tem um bom ator, teve boas cenas e pode ser considerado um filme até que tenso para muitos. No entanto, definitivamente não é o mais assustador dos últimos tempos).

Trailer




Sobre algumas cenas (SPOILER!):

- Final com o típico sustinho no final, coisa mais clichê impossível.
 
- Na boa: todo mundo sabia quem eram os assassinos. Está na cara o tempo todo. Isso ficou fraco demais.
 
- Na hora em que o cara está no escuro e a menina em cima da mesa do lado dele. Pode até dar um susto no começo, mas a câmera ficar uns 10 a 15 segundos na cara da menina, poxa! Aí estraga o efeito! Nunca pode parar tanto tempo na cara de um "fantasma" assim! Perderam a chance de um ótimo susto, assim como fizeram com a cena em que o "coisa ruim" vira a cara para ele, na tela do computador. O que foi aquilo? Poderia ser um grande susto, mas foi tão lento e tão óbvio que estragou toda a graça da coisa!

- Sério mesmo que o cara pendura foto daquele bicho feio na parede e até praticamente usa a foto como proteção de tela no pc? Esse merece morrer mesmo!

- A cena da caixa foi ridícula. Fraquíssima.

- Quase todas as cenas de sustos do filme estão presentes no trailer. Aí fica complicado querer assustar na hora do filme né!?
 
Por enquanto é só, se lembrar de mais alguma coisa, acrescento mais tarde! xD

Um comentário:

  1. Fui segunda feira no cinema mais nesse horário. Mas o filme que eu veria tinha saído de cartaz um dia antes, fiquei na duvida entre ver A Entidade e Poder Paranormal. Acabei indo ver a segunda opção, o filme é muito bom e vale a pena assistir(fica a dica) detalhe, a sala estava praticamente vazia só havia eu e mais 3 pessoas ali. Mas não da medo, voltando pra casa fiquei pensando nesse detalhe e como talvez A Entidade parecia melhor e mais assustador. Que bom que não perdi meu tempo hehe. Ótima critica Ninnie continue assim.

    ResponderExcluir

• Faça pedido de parceria somente na página reservada para isso.

Não aceitamos comentários ofensivos. Se quiser criticar a postagem, critique com educação.

Spams não serão aceitos. Aqui não é lugar para você divulgar seu site, blog ou seja lá o que for.

• Lembre-se de que o Vai Assistindo possui mais de um autor. Portanto, a crítica de cada um deles não expressa a opinião de todos os outros autores. Procure ver logo abaixo do título de cada postagem o nome do autor que a criou.

• As opiniões expressas nos comentários não refletem as dos autores do blog.