16 de abr de 2012

Violência Gratuita (Funny Games)

Título no Brasil: Violência Gratuita
Título Original: Funny Games
País: Áustria
Gênero: Terror 
Tempo de Duração: 108 min
Ano de Lançamento: 1997
Estúdio/Distrib.: Wega Films
Direção: Michael Haneke 

Elenco: Susanne Lothar (Anna); Ulrich Mühe (Georg); Arno Frisch (Paul); Frank Giering (Peter); Stefan Clapczynski (Georgie); Doris Kunstmann (Gerda); Christoph Bantzer (Fred); Wolfgang Glück (Robert). 

Sinopse: Casal rico curte o início das férias com seu filho em uma casa à beira de um lago. Enquanto o marido e o menino cuidam do barco, a esposa recebe a visita de um educado vizinho que pede ovos emprestados. Ele e outro sujeito, que chega logo depois, não irão mais sair da casa. A família é mantida em cativeiro pelos dois invasores, que executam jogos sádicos e violentos.

Vai Lendo!

Polêmico filme do diretor Michael Haneke, Funny Games critica e celebra a violência cotidiana que passa a despercebida pela maioria das pessoas, ou que tem pouca duração na memória coletiva. Com o propósito de chocar, esse filme utiliza dosagens altas de agressividade sem atingir níveis próximos a títulos como O Albergue, abusando de tensão psicológica e imoralidade para proporcionar maior realismo à história. Um dos pontos mais fortes da trama é a interação com o espectador como uma forma de provocação, questionando a necessidade ou o interesse de assistirmos toda essa violência, revelando o sadismo presente em cada indivíduo.

Juventude problemática. Mode hard.
Violência Gratuita segue uma linha de produção simples, dispensando a maioria dos efeitos que o poderia colocar seu realismo a prova, e mesmo assim apresenta uma cena controversa, porém simbólica. A cena do controle remoto representa o paralelo entre o esperado e o que realmente acontece, fazendo o espectador perder o otimismo, entretanto faz com que toda a veracidade conquistada é comprometida nessa sequência irreal. Fora essa parte, o restante apresenta uma abordagem convincente, não se trata de um filme que agrada a maioria das pessoas que o assiste, mas sua qualidade é quase impecável, e por isso vale apena ser visto pelo menos uma vez.

Já dá pra saber o que acontecerá.
Esta película é uma boa amostra do bom cinema europeu, assim como sua dominação do gênero. Não há explicações que justifiquem os eventos que ocorrem, e nesse ponto a tradução do título nacional faz mais sentido do que o original (Jogos Divertidos, tradução literal), que fica mais sutil. As atuações são realmente boas, ou pelo menos são o suficiente para conseguirem prender a atenção. Fora os dois intrusos, o restante dos personagens não foram tão elaborados, sendo um pouco desinteressantes e secundários visto a importância deles na história, podendo serem considerados até um pouco previsíveis.

Violência realista.
Violência Gratuita é impressionante e com certeza sabe prender quem o assiste com a sua dinâmica e sua tensão. Considero este filme altamente recomendado para quem procura algo diferente, não sei quanto ao remake americano, mas este realmente é uma boa opção. Haneke apresenta um ótimo trabalho com essa história chocante e marcante, além de inesquecível. A trama se demonstra cíclica, ou seja, a história se repete continuamente com novas vítimas em cada abordagem. O filme é inusitado, mas não chega a ser imprevisível, possuindo uma estética diferente e ambientes claros, com certeza consegue se destacar.

Nota (0-10): 9

Trailer

6 comentários:

  1. Muito bom esse filme, melhor q o remake americano. Gostei muito das atuações, principalmente da atriz Susanne Lothar. O filme choca mesmo sem derramar sangue na frente do espectador. Altamente recomendado.

    ResponderExcluir
  2. caracaaaa, transmissão de pensamento... eu assisti esse filme pra prova de filosofia q eu vou fazer sexta kkkkkkkk
    eu gostei muiiiito. E q vontade de dá na cara desse moreninho qndo ele olha pra câmera com ar de deboche, que ódioo...

    ResponderExcluir
  3. Ouvi muito bem desse filme, mais na hora que fui assistir não achei muito bom não. Na verdade cheguei a achar entediante...Mas, ótimo review!

    ResponderExcluir
  4. Meu filme favorito, realmente ótimo!

    ResponderExcluir
  5. O remake é identico. Ateh pq o diretor é o mesmo. Tanto faz ver um ou outro.

    ResponderExcluir

• Faça pedido de parceria somente na página reservada para isso.

Não aceitamos comentários ofensivos. Se quiser criticar a postagem, critique com educação.

Spams não serão aceitos. Aqui não é lugar para você divulgar seu site, blog ou seja lá o que for.

• Lembre-se de que o Vai Assistindo possui mais de um autor. Portanto, a crítica de cada um deles não expressa a opinião de todos os outros autores. Procure ver logo abaixo do título de cada postagem o nome do autor que a criou.

• As opiniões expressas nos comentários não refletem as dos autores do blog.