27 de fev de 2012

A Mulher de Preto (The Woman in Black)

Título no Brasil: A Mulher de Preto
Título Original: The Woman in Black
País de Origem: Reino Unido
Gênero: Suspense
Tempo de Duração: 90 min
Ano de Lançamento: 2012
Estúdio/Distrib.: CBS Films
Direção: James Watkins

Elenco: Daniel Radcliffe (Arthur Kipps); Ciarán Hinds (Sam Daily); Janet McTeer (Elizabeth Daily); Sophie Stuckey (Stella Kipps); Misha Handley (Joseph Kipps); Liz White (Jennet Humfrye); Daniel Cerqueira (Keckwick); Tim McMullan (Sr. Jerome); Aoife Doherty (Lucy Jerome) Roger Allam (Sr Bentley); Victor McGuire (Gerald Hardy). [+]

Sinopse: O jovem advogado londrino Arthur Kipps é forçado a deixar seu filho de quatro anos e viajar para a pequena vila de Crythin Gifford para tratar dos assuntos do recentemente falecido dono da Casa Eel Marsh. Mas quando ele chega à arrepiante mansão, descobre segredos obscuros no passado da cidade. Sua sensação de mal-estar aumenta quando ele vislumbra uma misteriosa mulher toda vestida de preto.

Vai Lendo!


Baseado no romance de Susan Hill, A Mulher de Preto é um filme com um enredo promissor e uma tensão bem trabalhada, sendo um suspense que sabe envolver o espectador e que soube utilizar muito bem os efeitos visuais e especias, principalmente no manuseio da iluminação e das sombras. Os sustos são previsíveis, é um fato, porém isso não alivia o suspense, o que realmente incomoda é o desempenho frustrante de Radcliffe, ex-Potter, que é pouco expressivo para o gênero. A presença do ator gera uma expectativa, é compreensível a dificuldade de se desligar de um papel tão marcante, porém a principal estrela do título não chega a satisfazer, tornando mais interessante o restante do elenco que, ao contrário, trabalham melhor, em destaque o incrível Roger Allam, que já apareceu em filmes como V de Vingança, A Rainha e em A Dama de Ferro (que  ainda deve estar em cartaz), títulos "fraquinhos", como podem perceber.

"Ah, ele falou mal do cara que fez o Potter."
Na trama, toda vez que alguém via a maldita fantasma uma criança morria. Não sei se já mencionei antes, mas não gosto de filmes em que crianças sejam alvos, a menos que realmente mereçam, entretanto não é esse o caso. A história realmente é boa, não dá para negar, mesmo com clichês típicos de filmes como este, a proposta foi bem aproveitada nesse sentido. Lembre-se, não é um filme de terror, é um suspense, e como tal o considero nada ruim, exceto pela escolha de Daniel para o melancólico Arthur Kipps. Vale também mencionar de que não é uma película pesada, seu final pode até ser um pouco previsível, entretanto o desfecho é otimista e bonito. Não se trata de uma simples história sobre uma assombração, e sim sobre crença. Pode soar meio melosos, e muitos podem até discordar com o que eu disse anteriormente, porém não deixa de ser verdade. A cena final tem uma mensagem bem nítida, vale recebê-la com bons olhos, pois foi é o rancor que condena a mulher de preto.

E você reclamando do seu trabalho.
Quem me conhece sabe o como aprecio o cinema europeu, em especial o britânico, e como venho me impressionado com as películas produzidas no continente, ainda mais as do gênero terror e suspense. Acho que eles possuem uma sensibilidade um tanto mais apurada do que a dos americanos, uma visão um pouco mais delicada de seguirem as receitas estadunidenses. Um bom exemplo é o sueco Deixe Ela Entrar e inúmeros clássicos de Hitchcock. A Mulher de Preto já é um projeto mais comercial, então esses elemento aparecem mais atenuados, entretanto estão presentes, marcando a película para que possa no mínimo ser reconhecida como pertencente a linha cinematográfica européia. A influencia americana é perceptível, apesar do sotaque, pois os EUA já lançaram inúmeros filmes de fantasmas, e várias características comuns presentes nessas películas foram utilizadas para compor A Mulher de Preto.

Odeio fantasmas... São muito curiosos.
Enfim, considero este filme decente, e quando for comercializado o adicionarei a minha humilde coleção. Apesar dos clichês, da previsibilidade e do desempenho quase desastroso do ex-bruxo, A Mulher de Preto é um suspense recomendável e que vale ser assistido. Para alguns deve ser um filme decepcionante, e em parte isso é verdade, não dá para negar isso, porém há pontos positivos que valorizam a obra, sem contar que muitos devem ir assisti-lo pensando ser um terrorzão. Numa comparação forçada (admito, é forçada), nesse ponto A Mulher de Preto se assimila a A Vila, pois muita gente não sabe que é um suspense, e no suspense as "regras" são diferentes. É um filme bacana, rende alguns sustos, tem uma tensão decente, o que resumidamente seria: recomendo que vejam A Mulher de Preto.

Nota (0-10): 8 (mesmo com o desinteressante Harry Potter Daniel Radcliffe)

Trailer

4 comentários:

  1. Eu ainda ia pedir para lançarem uma crítica desse filme :)
    Estou pensando em ir assistir e, por isso, fiz uma pesquisa básica para saber o que estão dizendo sobre ele, mas, estava esperando a crítica daqui :)
    Até que a maioria está falando bem... Só o Daniel Radcliffe que não está sendo poupado xD

    ResponderExcluir
  2. Ainda não tive a oportunidade de assistir, mas pretendo essa semana. Engraçado que sou a unica entre meus amigos que não me animei com o fato do Daniel estar nesse filme, agora vejo que estava certa.

    Mesmo em Harry Potter, apesar de gostar dos filmes, acho que ele perdeu seu carisma quando cresceu e ficou arrogante, tanto a ponto de menosprezar o trabalho que fez dele o sucesso que é hoje.

    Mas assistirei, preciso rs!

    ResponderExcluir
  3. A atuação do Daniel é broxante, realmente, assim como nos demais filmes de HP, tirando os dois primeiros... Mas, de resto, apesar da limitação do roteiro, o filme funciona bem...

    ResponderExcluir

• Faça pedido de parceria somente na página reservada para isso.

Não aceitamos comentários ofensivos. Se quiser criticar a postagem, critique com educação.

Spams não serão aceitos. Aqui não é lugar para você divulgar seu site, blog ou seja lá o que for.

• Lembre-se de que o Vai Assistindo possui mais de um autor. Portanto, a crítica de cada um deles não expressa a opinião de todos os outros autores. Procure ver logo abaixo do título de cada postagem o nome do autor que a criou.

• As opiniões expressas nos comentários não refletem as dos autores do blog.