28 de nov de 2011

A Marca do Vampiro (Mark of the Vampire)

Título no Brasil: A Marca do Vampiro
Título Original: Mark of the Vampire
País de Origem: EUA
Gênero: Terror
Tempo de Duração: 60 min.
Ano de Lançamento: 1935
Estúdio/Distrib.: MGM
Direção: Tod Browning

Elenco: Lionel Barrymore (Professor Zelen); Elizabeth Allan (Irena Borotyn); Béla Lugosi (Conde Mora); Lionel Atwill (Inspetor Neumann); Jean Hersholt (Barão Otto von Zinden); Henry Wadsworth (Fedor Vincente); Donald Meek (Dr. J. Doskil); Carroll Borland (Luna). [+]

Sinopse: Sir Karell Borotyn é encontrado morto em sua grande casa, com duas pequenas marcas de perfuração no pescoço. O médico Dr. Doskil e o amigo de Sir Karell, Barão Otto, estão convencidos de que o responsável pelo assassinato foi um vampiro, e suspeitam especificamente dos vizinhos Conde Mora e sua filha Luna. Mas Neuman, o inspetor de polícia de Praga, se recusa a crer nisso.


Corra, ainda dá tempo de votar no Você Decide Vai Assistindo!

Vai Lendo!



Béla Lugosi retorna mais uma vez como um terrível e temível vampiro. Mesmo com a importância reduzida, sua atuação característica marca presença em A Marca do Vampiro, que se trata de mais um filme em que nada é o que aparenta ser. Utilizando os melhores efeitos especiais disponíveis na época, a trama é muito menos ingênua do que parece, sendo até um pouco inteligente. De qualquer forma, estamos lidando com mais um grande nome dos filmes de terror.



Pensaram que estavam livres do Lugosi?
O enredo pode até ser um pouco mais elaborada, porém há várias falhas impossíveis de serem ignoradas, e a maioria delas se deve a parte do elenco exagerado e ruim. Aliás, o mais correto seria afirmar que o maior defeito do filme é a considerável parcela do elenco escolhido e seu desempenho. Quando não expressam bem ou falam nada, são inadequadamente cômicos e anti clímax, atrapalhando o suspense e a seriedade ideal para a obra. Não gosto de falar mal de clássicos, mas este é meio fraquinho.


Da onde vieram esses atores ruins?
É incoerente tentar comparar os efeitos visuais de 1930 com os atuais, por isso não o farei. Entretanto, vale ressaltar uma ousadia maior na utilização desse tipo de recurso, não que tenha ficado bom, mas a pequena inovação merece ser vista positivamente. Outra coisa que vale mencionar é a reciclagem dos cenários do filme Drácula e o interessante domínio em algumas técnicas de sonoplastia bem sutis.

Não é incrível, mas é ousado.
A culpa pode ser despejada sobre a MGM, ao invés de Tod Browning. O diretor já havia realizado vários filmes competentes e memoráveis, portanto foi a intervenção do estúdio que enfraqueceu o que poderia vir a ser mais um incrível clássico desse período. Não pense também que A Marca do Vampiro seja um lixo, jamais diga isso, o que se passa é que se trata de um título regular a qual eu recomendo a menos pessoas do que o costume, pois há várias fraquezas, e ao mesmo tempo alguns colossais pontos fortes.

Nota (0-10): 6,5

Trailer

2 comentários:

  1. Muito Bom Esse Filme Vi ele a uns 3 anos atraz ki boa recordação

    Parabens pelo novo Layout

    ResponderExcluir
  2. Nossa!!!,eu ví esse com o meu avô ( falecido a algum tempo..) show de mais!!! Há,e esse novo template está lindo! adorei!!! parabêns VA!

    ResponderExcluir

• Faça pedido de parceria somente na página reservada para isso.

Não aceitamos comentários ofensivos. Se quiser criticar a postagem, critique com educação.

Spams não serão aceitos. Aqui não é lugar para você divulgar seu site, blog ou seja lá o que for.

• Lembre-se de que o Vai Assistindo possui mais de um autor. Portanto, a crítica de cada um deles não expressa a opinião de todos os outros autores. Procure ver logo abaixo do título de cada postagem o nome do autor que a criou.

• As opiniões expressas nos comentários não refletem as dos autores do blog.