26 de ago de 2011

A Sétima Vítima (The Seventh Victim)

Título no Brasil: A Sétima Vítima
Título Original: The Seventh Victim
País de Origem: EUA
Gênero: Terror
Tempo de Duração: 71 min.
Ano de Lançamento: 1943
Estúdio/Distrib.: RKO Radio Pictures
Direção: Mark Robson 

Elenco: Kim Hunter (Mary Gibson); Hugh Beaumont (Gregory Ward); Tom Conway (Doutor Louis Judd); Jean Brooks (Jacqueline Gibson); Isabel Jewell (Frances Fallon); Evelyn Brent (Natalie Cortez); Erford Gage (Jason Hoag).[+]

Sinopse: Mary Gibson, menina ingênua, vai a Manhattan com o propósito de encontrar Jaqueline, sua desaparecida irmã. Quando lá chega, percebe que sua irmã estava envolvida com uma seita de satânicos que querem levá-la ao suicídio por ter traído o culto.

Vai Lendo!

Eu não sou de falar mal de clássicos, mas também não sou nenhum pseudo-intelectual, e não vou supervalorizar aquilo que eu não considere bom. A Sétima Vítima é um clássico inegável, tem todo seu mérito e é respeitável, porém, eu não o considero um grande terror. O ruim de falar sobre filmes feitos antes dos anos 60 é que temos que levar em consideração o fator histórico, e em meu ponto de vista, levando todos os fatores em consideração, eu o julgo bem regular.

Um clássico, admito, mas... Nada é perfeito.
A trama é muito bem escrita, algumas atuações são espetaculares, mas dividem a tela com outras um tanto questionáveis. De inicio, o filme é cansativo e levemente desinteressante, mas a curiosidade é o que mantém o espectador atento a história. Não há grande necessidade de raciocínio, pois o mistério não é tão elaborado. Suas abordagens são um tanto forçadas, o que o torna meio fora da realidade.

A típica garota virtuosa e indefesa que se mete em confusão.
Além de ser repleto de clichês, há uma esperança de que a protagonista da trama, a jovem Mary, sofra um amadurecimento ao decorrer da história, o que lamentavelmente não acontece. Mesmo com suas singularidades, algumas características merecem ser elogiadas. A utilização de sombras é algo maravilhoso, criando um ambiente noturno amigável que em minutos se torna tenebroso.

Galerinha do Mal.
Outra característica que merece atenção é toda a moralização do filme. Este artifício, no entanto, valoriza e estraga algumas cenas de A Sétima Vítima. Moralizar um filme o torna inteligente e com conteúdo, por outro lado, o torna previsível e faz com que algumas cenas forçadas e questionáveis. Não é por abordar satanismo (que foi explorado de forma até bem criativa) que torna o moralismo tão forte na trama, mas sim o período em que foi realizado o filme, onde os estúdios valorizavam demais a virtude e a justiça, criando personagens moralmente perfeitos, mas não espere um final feliz.

Nota (0-10): 7

Trailer

5 comentários:

  1. ahsiuahsiuahius, o que me mata nos filmes antigos sao as trilhas sonoras =\, que ou sao pessimas ou sao inexistentes

    ResponderExcluir
  2. Não fui com a cara do filme mas adorei a critica

    ResponderExcluir
  3. Pelo menos um que dá sua opinião doa a quem doer. É dificil encontrar alguém que goste de cinema criticando um clássico, mesmo que tenha achado uma bosta. Como se a palavra "clássico" tornasse qualquer coisa à prova de erro. Valeu pela coragem =D

    ResponderExcluir
  4. S. Lima, assino embaixo o que você disse!! Muito legal a sinceridade do DiMarte, se achou ruim tem mais é que falar mesmo! \o/

    A julgar pelo vídeo e pelas fotos o clima do filme em si parece ser legal (curto esse clima noir/sem cor em filmes de horror, Eraserhead que o diga), mas pelo que foi comentado acho que o resto estraga toda a experiência :P

    DiMarte, tem uma coisa que me deixou curioso (e confesso que foi o que me trouxe até a postagem :P): tem um filme com o mesmíssimo nome e que foi lançado em 2002, porém com o nome original "levemente" diferente: Darkness, de Jaume Balagueró (sim, o povo sempre reconhece como "o cara de [• REC]"...). Eu curto o filme, não é algo brutalmente perfeito, mas não achei dispensável.

    ResponderExcluir
  5. Vou tentar assisti-lo James, obrigado pela dica!

    ResponderExcluir

• Faça pedido de parceria somente na página reservada para isso.

Não aceitamos comentários ofensivos. Se quiser criticar a postagem, critique com educação.

Spams não serão aceitos. Aqui não é lugar para você divulgar seu site, blog ou seja lá o que for.

• Lembre-se de que o Vai Assistindo possui mais de um autor. Portanto, a crítica de cada um deles não expressa a opinião de todos os outros autores. Procure ver logo abaixo do título de cada postagem o nome do autor que a criou.

• As opiniões expressas nos comentários não refletem as dos autores do blog.