18 de jul de 2011

Remakes: um mal ou uma necessidade?


Ultimamente estamos sendo bombardeados de refilmagens de grandes obras do gênero: A Hora do Pesadelo, Piranha, O Lobisomem, Horror em Amityville, O Massacre de Serra Elétrica, Halloween, Sexta-Feira 13, A Casa da Colina... E assim a lista continua.

Nessa postagem especial, vou falar sobre até que ponto fazer um remake é bom, quando é um desastre ou totalmente desnecessário. Além disso, trago algumas informações sobre os próximos remakes, sendo que alguns já estão prontos para estrelar.

Atenção: Postagem Longa

Antes de tudo, uma breve relembrada de significado de remake:
Remake (em português: refazer/refeito) se consiste em uma refilmagem em que se adapta e/ou atualiza a obra original, podendo ser de um filme antigo ou estrangeiro.

Com essa inocente definição, podemos concluir que remakes são jogadas de marketing, se aproveitando da reputação do original para garantir uns milhõezinhos para os produtores. Mas nem sempre é assim, as vezes quem faz a refilmagem é o próprio diretor, como em O Homem que Sabia Demais.  Hithcock lançou o primeiro em 1934, mas descontente com o resultado, refaz e lança a nova versão em 1956, sendo desta vez um sucesso surpreendente.

O Homem que Sabia Demais - Quando o diretor refaz, tem que ficar bom, não é?
São raros, mas acontece que algumas vezes em que a refilmagem é superior ao original, como no caso do filme A Mosca, o melhor exemplo desse tipo. A Mosca é uma refilmagem do clássico A Mosca da Cabeça Branca, de 1958, e ficou melhor por esse motivo: quando foi lançado o original, a ideia não acompanhava a tecnologia, e acabou se tornando um filme trash. Mas em 1986, quando já tinham a tecnologia, decidiram não só relançar, mas também modernizar, viabilizando a ideia inicial.

Já houve vários outros remakes que refletem essa ideia, pena que não é frequente. Quando um remake é melhor, frequentemente se deve pelo fato de que a diferença cronológica entre eles é muito grande, a maioria das vezes com uma história com elementos além de sua época. Mas isso não é regra. Já que também se refilma filmes estrangeiros, normalmente quase que no mesmo período que o primeiro é lançado. Neste caso, se destaca O Chamado, que é considerado por muitos profissionais cinematográficos superior a obra asiática.

A Mosca - As vezes, o remake é melhor.
A base para realizar uma boa refilmagem é saber quando realizá-la. Como já mencionei, quanto maior  distância cronológica entre as obras, maior a chance de serem bem realizada. Porém, a pergunta permanece: Como saber se um remake vai ser bom ou ruim? Bem, a resposta:

- Quando o remake é RUIM

Adaptação da ideia, e não da trama
Esse é o maior de todos os problemas,mas graças a Deus um dos menos frequentes. Quando se refaz um filme, você adapta a trama para que atraia o publico atual, porém, em alguns momentos se adapta tanto que até a ideia do filme é modificada! Isso é um crime. Exemplos de remakes assim são: Piranha e A Casa da Colina.

A Casa da Colina - mudaram tanto que pouco lembra o original.
Muito efeito, pouca história
Se o anterior ocorre bem pouco, esse já ocorre demais. De todos, essa é a falha mais comum, pois se pega o filme, mantém a base da trama, entretanto, investe pacas em efeitos e esquecem de investir nos roteiristas. Resultado: fica a história totalmente má explorada disfarçada por um visual fantástico. Exemplo: A Madrugada dos Mortos e O Lobisomem.

O Lobisomem - visual legal, mas e a trama?
Mudança no personagem
Não, a culpa não é do ator. Nesse caso, ele só cumpre o que lhe foi exigido, então quem estraga o personagem é o roteirista, produtor, diretor, enfim. Esse também é uma falha bem frequente, pois acaba com a alma do filme, é quase um homicido. Esse recurso é muito utilizado para amenizar, dar seriedade ou mudar a ambientação do filme, e estragando-o. Exemplo: Halloween -  O Iníco e A Hora do Pesadelo.

A Hora do Pesadelo - literalmente "A morte de Freddy".
Quando não se muda absolutamente nada
Outro erro bastante raro e singular. Nesse caso não se refaz o filme, simplesmente muda os atores e lança de novo. Alguns não consideram isso uma falha, entretanto, fica tão igual que chega a ser ridículo e desinteressante. Como já disse, são raros, e no máximo só aumentam a violência e tornando-os mais grotesco, mas sem grandes mudanças. Exemplo: A Bolha Assassina e O Dia dos Namorados Macabro.

Dia dos Namorados Macabro - nada de novo.
Cronologicamente próximos
Outro dos maiores error de refilmagens, e o que tem mais se repetido nos últimos anos. Com esse diferença tão pequena, são remakes totalmente desnecessários e inúteis. Sempre são de filmes estrangeiros (em relação ao EUA), e normalmente são ou muito iguais, ou inferiores. Exemplo: Quarentena. 

Quarentena - lançou muito perto de REC.
Desnaturalização
Muito frequente em remakes de filmes asiáticos. Além de mudar a nacionalidade do protagonista, muda boa parte da história ao alterar o país em que ocorre a trama. Desta forma, temos uma situação similar, mas com reações diferentes, motivos diferentes e explicações também diferentes, ou seja, além de enfraquecer, muda o filme quase que por completo. Exemplo: O Olho do Mal e Espelhos do Medo.
O Olho do Mal - uma alteração "simples" muda muita coisa.

- Quando o remake é BOM

Relançamento, não adaptação
Esse é um dos casos mais difíceis, mas é o que garante qualidade do filme. Basicamente, se trata de manter o máximo da obra original e cobrir seus defeitos para que agrade o público. Exige um trabalho árduo, bons atores e um agradável orçamento, normalmente não agrada fãs dos originais, mas não há como dizer que são ruins, pois não são feitos para superar o anterior, apenas para relançar a história. Exemplo: Horror em Amityville e A Profecia.

A Profecia - não é melhor que o original, mas é bom.
A mesma história, só que contada diferente
Nesse caso, acontece o seguinte: se mantém a ideia principal e desenvolvem de forma diferente, mantendo características originais, mas inovando ao mudar como trabalhá-la. É uma estratégia arriscada, bem arriscada, pois pode correr o risco de ficar muito diferente, e assim comprometer toda a produção. Exemplo: Viagem Maldita.

Viagem Maldita - fiel e criativa.
Refazer é preciso
Mais um caso raro e imperceptível de boa refilmagem. Quando o original é muito fraco ou mesmo ruim, e quando há alguém disposto a fazer algo bem feito, pegam a ideia principal e refazem tudo. Ou há a certeza de que o primeiro é inferior, ou pelo menos mau produzido, ou o filme não foi bem recepcionado e precisa ser atualizado para não ser esquecido. Exemplo: A Mosca e Dragão Vermelho (remake do original de 1986).

Dragão Vermelho - poucos sabem que é um remake.
Antes não dava, agora pode
Quando um filme é forte demais para a sociedade quando foi lançado, e a atual abre espaço para essa inequalidade, sai a refilmagem. São filmes Cult e ousados que são relançados, praticamente não sofrem mudanças, mas acabam valorizando a característica que a torna peculiar. Exemplo: Doce Vingança.


Doce Vingança - pesado, mas tá liberado.
Ampliação e exploração da ideia
Ocorre principalmente com remakes de filmes dos anos 60 para baixo. Quando realizam o original, a ideia é criativa, mas é limitada ou má explorada. Daí decidem aproveitar a ideia, tornando a trama mais dinâmica e atrativa. Também é utilizada para refilmar filmes estrangeiros, mas nem sempre dá o resultado esperado, pois não deixa de ser desnecessário nesses casos. Exemplo: O Chamado e A Pequena Loja dos Horrores.
A Pequena Loja dos Horrores - o negócio é pensar grande.

Próximos Remakes

Não pense que estaremos livres das refilmagens de clássicos tão cedo. Não, só em 2011 já estão prontos para lançamento três, mas para manter a ansiedade, estes estão no final da lista (sou mal) . Fique por dentro do que vem por aí.

Cemitério Maldito (Pet Sematary)

Baseado na obra homônima de Stephen King, esse clássico de 1989 ganhará uma refilmagem, porém ainda não há uma previsão certa para seu lançamento. Até agora, se sabe que o responsável pelo remake é Matthew Greenberg, roteirista de 1408. Apesar de tudo, é preciso esperar para saber o resultado.

Hellraiser

Clássico de Clive Barker, em 2006 foi confirmado a refilmagem desta grande obra do medo. O lançamento está previsto para 2012, e há grande expectativa e especulações sobre o filme, principalmente sobre o visual do singular e tenebroso do terrível cenobite Pinhead. Barker não dirige, mas produz essa refilmagem, o que reforça a ansiedade.

Não Tenha Medo do Escuro (Don't be Afraid of the Dark)
Recentemente descoberto, esse remake será lançado em 2011, estimadamente em agosto. O filme reconta a história do clássico de 1973, em que um casal tem que enfrentar estranhas criaturas quando se mudam para a nova casa.



Enigma do Outro Mundo (The Thing)
Obra majestosa de 1982, um dos filme que até hoje é capaz de assustar muita gente ganha em 2011 uma refilmagem um tanto antecipada. Não há como ter tanta certeza de que será um desastre, mas teremos que esperar, pois o trailer promete ser bom ou ruim ao mesmo tempo.




A Hora do Espanto (Fright Night)
Outro clássico brilhante dos anos 80 que ganhará uma refilmagem, prevista para 2011. Porém, pelo trailer, podemos notar que não será muito fiel ao original. Este eu tenho uma má expectativa, pois aparenta ser horrível e bem inferior em comparação com o primeiro. Porém, só vendo para ter certeza.


Espero que tenham gostado. E então, para você, fazer remakes é certo ou errado? Deixe sua opinião nos comentários.

13 comentários:

  1. The Thing não vai ser remake e sim um prequell

    ResponderExcluir
  2. noooossa cemiterio maldito esta na lista dos filmes que me deram medo, e olha que a lista nao é muito grande, tomare que fique boom *o*

    ResponderExcluir
  3. Eu tenho o pé atras com remakes. São um tiro no escuro. Como regra geral eu acho que o maximo que um remake pode fazer é se igualar ao original, com rarissimas excessoes onde a nova versao supera a antiga.
    Realmente, o novo the thing parece ser um prequel (o que é ainda mais desesperador... veja o que fizeram com hannibal e mesmo com a trilogia star wars.).
    Mas o the thing que a maioria conhece (passava no sbt a tarde) na verdade ja é um remake, de um filme de 1951, the thing of another world.
    O remake de john carpenter é, na minha opiniao, melhor que o original de 51, ate mesmo por ser mais fiel a obra literaria.
    Entao, nem todo remake é ruim, mas poucos são bons.

    ResponderExcluir
  4. Cara, parece mais um remake. Mas fiquei na dúvida. =S

    Tipo, é halloween - o início, mas td mundo diz q é remake. daí nesse The Thing não fala nada sobre ser um antes-do-primeiro mas será um?

    confuso, mas acho que será um remake.
    bela postagem, muito dahora! =D

    ResponderExcluir
  5. Realmente, The Thing será um prequell, eu me equivoquei, desculpe. =/

    Mas, pelo menos, já fica divulgado o trailer. Vamos lá gente, sou humano também. =D

    ResponderExcluir
  6. Eu tenho tido muito preconceito com remakes mas cheguei a conclusão de q se eu ficar nessa não vou ver mais filme nenhum.
    Acho q essa explosão de remakes é resultado da covardia das produtoras. Tem várias histórias boas por aí q só precisam de investimento para acontecerem.
    Mas hj estão preferindo ter ganho garantido com filmes q eles sabem q as pessoas vão ver. Mesmo não sendo bons levam gente ao cinema.

    ResponderExcluir
  7. Fenomenal o post!

    Acho que você frisou o fator principal, que é o tempo. Quando assisto um remake antes de ter visto o original por exemplo, ele tende a parecer melhor do que se fosse comparado.

    ResponderExcluir
  8. Legal esse post mas discordo quanto ao filme da mosca,o de 1958 é bem melhor...

    ResponderExcluir
  9. A hora do pesadelo foi um remake na minha opinião extremamente desnecessário, apesar de que algumas cenas das mortes e alguns dialogos ficaram legais.
    Em certa parte do filme a história fica morna demais, tentam achar explicações bobas sobre a verdadeira história do Fred, sem contar que ver o filme sem o ator Robert Englund interpretando o Fred já faz toda diferença né!

    ResponderExcluir
  10. Concordo plenamente com a Thaís...mas digo mais, Fred não é Fred se não for Robert interpretando xDD. Valeu pelo post!
    Cmiranda

    ResponderExcluir
  11. Puxa vida eu amo remakes
    pois eles fazem uma adaptação mais moderna
    dos clássicos os grandes mestres dos filmes de Terror como Jason e Freddy...e agora vem o brinquedo assassino...de Terror não de comédia como nos ultimos dois...que foi um lixo

    ResponderExcluir
  12. Eu também gosto dos remakes e vc disse que o dia dos namorados macabro é idêntico ao original sendo que muita parte da história foi modificada,como por exemplo o assassino é outro personagem.Eu gostei muito do a hora do espanto de 2011.

    ResponderExcluir
  13. acho que remakes é um mal necessário.uma forma de mostrar um filme que ficou para trás para a nova geração.a casa da colina,madrugada dos mortos eu os considero melhores que o original,a casa da colina até ganhou uma sequência!mas,a hora do pesadelo...todos os dvds deste remake deveriam ser jogados no lixo!

    ResponderExcluir

• Faça pedido de parceria somente na página reservada para isso.

Não aceitamos comentários ofensivos. Se quiser criticar a postagem, critique com educação.

Spams não serão aceitos. Aqui não é lugar para você divulgar seu site, blog ou seja lá o que for.

• Lembre-se de que o Vai Assistindo possui mais de um autor. Portanto, a crítica de cada um deles não expressa a opinião de todos os outros autores. Procure ver logo abaixo do título de cada postagem o nome do autor que a criou.

• As opiniões expressas nos comentários não refletem as dos autores do blog.