23 de mai de 2011

Ju-On (The Grudge)

Título Original: Ju-On (呪怨)
País de Origem: Japão
Gênero: Terror
Tempo de Duração: 92 minutos
Ano de produção: 2002

Ano de lançamento: 2003 (lançado no dia 25 de Janeiro de 2003 no Japão).
Direção: Takashi Shimizu

Elenco: Okina Megumi, Ito Misaki, Uehara Misa, Ichikawa Yui, Tsuda Kanji, Shibata Kayoko, Kukuri Yukako, Matsuda Shuri, Tanaka Yoji, Matsuyama Takashi, Ozeki Yuya, Fuji Takako.

Sinopse: Rika (Okina), uma funcionária da segurança social, desloca-se em serviço a uma casa onde se encontra uma mulher idosa, sozinha, aparentemente abandonada, no meio de grande desarrumação e falta de higiene. Enquanto limpa e arruma a casa, Rika segue um ruído e encontra, no andar de cima, uma criança de 6 anos (Ozeki), que diz chamar-se Toshio, antes de desaparecer misteriosamente. Outras pessoas que passaram pela casa, ou se relacionaram com quem por lá passou, são surpreendidas e perseguidas pela presença de figuras sobrenaturais.

Vai Lendo!

Ju-On, todos provavelmente já sabem, é a versão japonesa original do filme norte-americano The Grudge. Aqui no Brasil o filme The Grudge recebeu o título de O Grito, mas o mais correto é O Rancor. E o que seria Ju-On então? De acordo com o início do filme, Ju-On: a maldição de quem morre vítima de uma fúria violenta. Essa maldição se materializa nos lugares onde a pessoa vivia. Quem a encontra também morre e outra maldição é gerada. Resumindo: Ju-On é a maldição do rancor e esse é o tema do filme.


Assisti a versão americana antes de ter visto Ju-On e quem leu a postagem que fiz em 2009 sobre o The Grudge percebeu que adorei o filme. Vi que muita gente não gostou dele porque esperavam um terrorzão com tripa e sangue e esse não é o caso do The Grudge; não entenderam a história, que é contada de forma não-cronológica; pensaram que era uma cópia do filme O Chamado. Fato é que até 2006/2007 todos eram muito acostumados apenas com filmes de terror norte-americanos, aqueles com bichos feios ou psicopatas, muito sangue e uma loira pelada. Aí chegam filmes sem nenhum desses clichês e com histórias diferentes e até inteligentes o povão não consegue entender. E como vocês já sabem, aquilo que muitos não conseguem entender logo passam a criticar e detestar, apenas pelo simples fato de não entender. 


The Grudge (O Grito), apesar de uma ou outra falha ficou um filme muito legal e assustador. Tem bons atores, como Sarah Michelle Gellar e Bill Pullman, uma história muito boa e é contado de forma interessante (aquilo de começar no meio, depois ir pro meio do começo, depois começo do  meio, etc.). Depois do O Chamado e do O Grito aos poucos os ocidentais começaram a se interessar pelo cinema asiático. Foi bem difícil no começo, como eu disse, até 2007 mais ou menos muita gente não conhecia um filme asiático sequer, só remakes. Aí surgiu o Shutter (Espíritos - A Morte Está ao Seu Lado) e a coisa começou a andar. Hoje, quase todos os fãs de terror já viram pelo menos um filme asiático. Tem Battle Royale, Suicide Club, The Eye, The Host, Shutter, One Missed Call, Red Shoes, The Doll Master, Audition, Infection, Art of the Devil, Dark Water e muitos outros. Entre todos eles os dois mais famosos: Ringu e Ju-On. Esses dois são os filmes de terror asiáticos mais conhecidos e que qualquer fã de filmes de terror orientais deve ter assistido.

Vamos lá: quais são os gatos de verdade?

Ju-On foi lançado em 2003. Ringu em 1998. Não pude deixar de notar algumas semalhanças entre os dois filmes e concluir que sim, Ju-On se inspirou um pouco no Ringu. Está bem que essas histórias japonesas de terror são parecidas entre si, porém algumas cenas do filme fazem lembrar Ringu. Mas por outro lado não posso dizer que um copiou o outro, até porque as histórias são bem diferentes. Já comparando The Grudge com The Ring os dois são completamente diferentes em tudo e não vi nenhuma semelhança absurda entre os dois a ponto de achar, como muitos, que The Grudge copiou o The Ring. O máximo de semelhança que vi entre os dois filmes foi o fato da protagonista ser loira e americana. Nos dois também quem resolve toda a história é uma mulher e não um homem. E isso foi feito propositalmente nos dois filmes. Nas versões japonesas as mulheres não serviam pra muita coisa. No Ringu ela só chorava e no Ju-On não sabia de nada. As versões americanas tentaram se mostrar menos machistas em relação as versões japonesas e até deu certo. Tirando isso, não vejo mais semelhanças entre os dois filmes.

Essa cena é bem legal, mas poderia ser mais rápida. Se mostra de mais, não dá medo.

Comparando Ju-On com The Grudge fiquei surpresa ao ver que os dois filmes são até diferentes. Lógico, tem toda aquela história da assistente social cuidando da senhora numa casa, aparecem os fantasmas Kayako e Toshio, tem um detetive,  gato preto e tudo mais. Mas a forma como a história é contada e a importância dos personagens em cada filme são diferentes. No Ju-On a assistente social não é tão importante assim como na versão americana. A história também mostra alguns fatos que não são mostrados na versão americana. Na verdade Ju-On é uma mistura do The Grudge com The Grudge 2. Quando, nos extras do The Grudge, Takashi Shimuzu falou que "simplificou" a história para que os americanos pudessem entender não imaginei que tinha simplificado tanto assim. Ele basicamente pegou a história do Ju-On e dividiu em dois filmes: The Grudge e The Grudge 2.

As colegiais que aparecem apenas no segundo filme da versão americana já podem ser vistas nesse aqui.

No Ju-On são apresentados vários personagens e muitas coisas acontecem. A história ficou interessante também e dá para entender tudo perfeitamente. Os espíritos nos dois filmes são fracos se compararmos com a Samara do Chamado ou a Natre do Espíritos. Mas na versão japonesa ficou bem fraquinho mesmo, não dá medo da Kayako nem do Toshio.O problema do The Grudge era que mostravam muito os fantasmas e nesse eles mostram mais ainda, aí não tem como ter medo já que a maquiagem dos espíritos se resume em uma "tinta" branca no corpo inteiro e lápis preto nos olhos. Na versão americana pelo menos na hora da escada a Kayako mete muito mais medo que na versão original.


Ju-On é um bom filme, tem uma boa trilha sonora (sons bem perturbadores) e bons atores. Só não achei tudo aquilo que me falaram (também não achei o Ringu tão grande coisa mas gostei). Se você gosta de filmes de terror asiáticos e ainda não assistiu Ju-On recomendo assistir já que é um dos clássicos do terror oriental. Se eu tivesse assistido esse filme em 2004 ou 2005 provavelmente teria ficado com muito medo. Hoje, depois de ter visto Ringu, The Ring, The Grudge e mais um bando de filmes asiáticos, não consegui sentir um pingo de medo.

Nota (0-10): 8 (é bom, é legal, é interessante, é um dos clássicos do terror aisático... mas existem vários outros filmes asiáticos melhores).

Trailer original japonês



Gostaria de ter visto o original antes de ver a versão americana. Por mais que os dois filmes tenham diferenças, perde um pouco (ou muito) a graça de ver o original.

Trailer americano



Esse trailer ficou bem legal. Só fiquei esperando o narrador falar "Again, and again, again, again and again..."

Curiosidades

- Ju-on é uma série de filmes japoneses de terror dirigidos por Takashi Shimizu. Os filmes componentes da série são:

• Curtas-metragens: 4444444444 e Katasumi, que podem ser vistos no DVD de extras da versão americana The Grudge (O Grito). 

• Filmes para TV: Ju-on - A Maldição parte 1 (2000) e Ju-on - A Maldição parte 2 (2000). 

• Filmes para o cinema: Ju-on (2003), Ju-on 2 (2003) e Ju-on 3 (2007);  

• Adaptações ocidentais: O Grito (2004), O Grito 2 (2006) e O Grito 3 (2008)

- Foi lançado em 2009 para o Nintendo Wii um jogo chamado Kyōfu Taikan: Juon, inspirado no filme japonês Ju-On. Para ler a postagem sobre o jogo, clique aqui

- Os atores Takako Fuji, Takashi Matsuyama e Yuya Ozeki que interpretaram respectivamente Kayako Saeki, Takeo Saeki e Toshio Saeki também fizeram Ju-On 2, The Grudge e The Grudge 2. Takako Fuji aparece também no filme Rinne (Almas Reencarnadas), dirigido pelo Takashi Shimizu.

Fonte: Wikipédia

5 comentários:

  1. Nossa essa Sadako de franja tá muito estranha .-.
    Enfim. Eu ainda não vi este,vi a versão americana, eu tenho os dois primeirs filmes do Ju-On(feitos pra TV) mais ainda não baixei este, mas está na minha lista.

    ResponderExcluir
  2. Taí um filme que não consigo gostar. Sei que tem seus meritos e algumas cenas assustadoras. Mas não consigo me agradar muito desse filme...

    Ringu é um dos meus filmes preferidos de terror, a grande maioria prefere o americano. Eu já prefiro o oriental, pois não tem um tom de supreprodução o que torna a história toda mais crível, sem contar que assisti o original primeiro, ao contrário da maioria esmagadora.

    Não lembrava dessa cena dos gatos, mas são bichinhos adoráveis, não iria ter medo disso. Só não ia deixar subirem em cima da minha cama pois isso é antihigiênico.

    Engrçado notar que a cada versão do filme o pequeno Toshio está maior, nem lembrava que ele era tão pequeno no filme original.

    ResponderExcluir
  3. Ainda não assisti esse,estou assistindo ainda aqueles Ju-On feito para TV,mais este esta na minha lista.
    anyway. Essa Sadako com franja tá muito estranho .-.

    ResponderExcluir
  4. Escrevi Sadako .-., muito filme japones na cabeça. KAYAKO corrigindo.

    ResponderExcluir
  5. Boas,

    Desde já obrigado por este post. Fiquei muito mais esclarecido em relação à quantidade de filmes que existem desta saga.

    Não encontro em lado nenhum o Ju-on 3 (2007). Consegues-me arranjar o link do imdb para me orientar melhor?

    Aguardo resposta,

    Obrigado!

    ResponderExcluir

• Faça pedido de parceria somente na página reservada para isso.

Não aceitamos comentários ofensivos. Se quiser criticar a postagem, critique com educação.

Spams não serão aceitos. Aqui não é lugar para você divulgar seu site, blog ou seja lá o que for.

• Lembre-se de que o Vai Assistindo possui mais de um autor. Portanto, a crítica de cada um deles não expressa a opinião de todos os outros autores. Procure ver logo abaixo do título de cada postagem o nome do autor que a criou.

• As opiniões expressas nos comentários não refletem as dos autores do blog.