27 de mai de 2011

Cujo

Título: Cujo
País de Origem: EUA
Gênero: Terror
Tempo de Duração: 91 min.
Ano de Lançamento: 1983
Estúdio/Distrib.: Warner Bros
Direção: Lewis Teague

Elenco: Dee Wallace Stone (Donna Trenton); Danny Pintauro (Tad Trenton); Daniel Hugh Kelly (Vic Trenton); Christopher Stone (Steve Kemp); Ed Lauter (Joe Camber); Kaiulani Lee (Charity Camber); Billy Jayne (Brett Camber).[+]

Sinopse: Um cachorro raivoso, picado por um morcego, espalha o terror em uma pequena cidade dos Estados Unidos e fazendo de reféns uma mulher (Dee Wallace) e seu filho – aprisionados dentro de um carro quebrado, sob um calor escaldante, durante horas intermináveis...

Vai Lendo!


Mais uma adaptação das incríveis obras de Stephen King, Cujo pode ser descrito mais como uma tentativa do que uma real adaptação. O filme possui um clima claustrofóbico e desesperador, mas não chega nem a assustar e nem a dar medo. É extremamente previsível, talvez a unica angústia de todo o filme esteja em um determinado momento, mas não há grandes surpresas.

“Meu Deus, esqueci a torneira aberta!”
Eu tive a oportunidade de ler o livro (Cão Raivoso), e digo que não esperava muita coisa quando soube da existência de um filme daquela obra. A história é complexa, e possui uma grande escala de fatos que vão se acumulando e resultam em mãe e filho presos no carro com um são bernado enorme e raivoso do lado de fora. No filme, os fatos meio que acontecem por acontecer, não há muito contato entre os personagens, e até parece obra do azar.

Vai deitar Totó, vai deitar!!!
Uma das em Cujo que me decepcionou foi a tentativa de transformarem um cão tão dócil num monstro. No livro essa mutação é espantosa, mas no filme o cãozinho Cujo deixa de ser um lindo são bernado e se torna um cão doente e lamacento. Outra coisa que achei ridícula é como um cachorro com raiva consegue ser tão inteligente. Chega a ser até engraçado, mas eu, que já tive experiências nada agradáveis com esse tipo de cão, sei que na primeira oportunidade, o bicho enlouquecido vai atrás de algo que chame mais a atenção. Eu sei que tem o lance de ele estar no território dele, mas não há como ele ser tão esperto.

Who let the dogs out?

Cujo pode até dar um sustinho ali, outro aqui, mas nada de grandes emoções. Na época em que foi lançado, ganhou prêmios e tudo mais, mas não vejo razão para isso. O filme tenta ser real, como se tudo aquilo pode acontecer com alguém, já que as chances de você ser atacado por um cão enlouquecido é maior do que por Serrial Killers ou fantasmas. Cujo não é de se jogar fora, só foi mal trabalhado.

Nota (0-10): 5,5

Trailer

3 comentários:

  1. Ainda não li o livro, então obviamente não posso comparar livro e filme.

    Mas gostei do filme. Sim, tem algumas falhas e não é nada assustador. Porém é um dos filmes mais tensos que já assisti. A mãe no carro com o filho, ficam lá o dia todo naquele sol, naquele sofrimento...dá mta agonia.

    O livro provavelmente é melhor mesmo, mas o filme não achei tão ruim assim.

    ResponderExcluir
  2. Eu não o considero tão ruim, mas sim regular,pois eu o achei meio limitado.

    Sei que sempre haverá diferenças entre o livro com o filme, entretanto achei que não houve um aproveitamento ideal da história.

    Repito: não o acho ruim, apenas regular. =D

    ResponderExcluir
  3. Meu sonho assitir esse filme ^^ Já ouvi falar diversas vezes dele e claro, do livro. Stephehn King no geral é um bom escritor de suspense e tal. De qql forma, mais um emprrãozinho para assistir o filme ^^

    ResponderExcluir

• Faça pedido de parceria somente na página reservada para isso.

Não aceitamos comentários ofensivos. Se quiser criticar a postagem, critique com educação.

Spams não serão aceitos. Aqui não é lugar para você divulgar seu site, blog ou seja lá o que for.

• Lembre-se de que o Vai Assistindo possui mais de um autor. Portanto, a crítica de cada um deles não expressa a opinião de todos os outros autores. Procure ver logo abaixo do título de cada postagem o nome do autor que a criou.

• As opiniões expressas nos comentários não refletem as dos autores do blog.