31 de out de 2010

Zombie - A Volta dos Mortos (Zombi 2)

Título Original: Zombi 2
País de Origem: Itália
Duração: 91 minutos
Ano de Lançamento: 1979
Direção: Lucio Fulci
Roteiro: Elisa Briganti e Dardano Sachetti (não creditado)

Elenco: Tisa Farrow (Anne Bowles), Ian McCulloch (Peter West), Richard Johnson (Dr. David Menard), Al Cliver (Brian Hull), Auretta Gay (Susan Barrett), Stefania D'Amario (Enfermeira), Olga Karlatos (Paola Menard)[+]

Sinopse: Uma moça (Tisa Farrow, irmã de Mia), acompanhada por um repórter americano, parte para uma pequena ilha tropical à procura do pai, desaparecido misteriosamente. Quando chegam ao local, descobrem que a ilha está infestada por zumbis canibais que devoraram os últimos habitantes. Uma insana luta pela sobrevivência no cenário caótico tem início, quando defuntos putrefatos atacam os vivos, em algumas das cenas mais impressionantes e repugnantes do cinema de horror italiano (sinopse retirada da capa do DVD nacional).


Vai Lendo!


Umas das minhas falhas como entusiasta do cinema de terror é ter assistido pouquíssimos filmes italianos (uma coisinha ou outra do Argento, e mais uma coisinha e outra do Deodatto).
Aproveitando a compra que fiz na Netnipon (que citei aqui) que no meio está Zombie de Lucio Fulci, vou começar minha jornada para pagar um de meus pecados cinematográficos.



Observando o título original do filme, podemos ver que se trata de Zombi 2. Mas existe um Zombi 1?
Para entender essa questão, vamos conhecer um pouco sobre a indústria cinematográfica italiana das décadas 70/80.
Na época era bastante comum que os produtores italianos entrassem no vácuo do sucesso de produções norte-americanas e lançar filmes "inspirados" em tais obras. Muitos filmes de sucesso como Star Wars, Stallone Cobra, Rambo, Fuga de Nova York, Mad Max, Exterminador do Futuro, e por aí vai (a lista é extensa) acabaram ganhando sua versão italiana de orçamento mais modesto. Além das cópias descaradas, era comum também que lançassem por lá continuações próprias (lógico que não oficiais) das produções de sucesso, como é o caso desse Zombi 2. O Zombi original na verdade se trata do nome em que foi distribuído na Itália o clássico de George Romero, Despertar dos Mortos (Dawn Of The Dead de 1978), então em mais um ato de picaretagem em 1979 pipocava na Itália Zombi 2.


Uma coisa engraçada a se notar é que na edição nacional do DVD lançado pela London Filmes, na sinopse da capa a distribuidora trata Zombie - A Volta dos Mortos como continuação oficial do filme de Romero:
“Este moderno clássico dirigido pelo mestre do choque Lucio Fulci narra acontecimentos que precedem O Despertar dos Mortos (1978), de George Romero.”
O que comprova que muitas dessas distribuidoras pequenas não sabem nem o que estão lançando no mercado de Home Video.
Será que é tão difícil fazer uma pesquisa antes de sair colocando informações equivocadas na embalagem de um produto? Eu mesmo não levei mais do que 5 minutos fazendo isso para escrever esse texto (aliás, o mercado nacional de Home Video até merece um post especial).


Mas deixando essas questões de lado, vamos ao que interessa:


Sobre o enredo de Zombie:


Um barco desgovernado e aparentemente sem tripulação chega em Nova York, para evitar que se choque com outras embarcações a polícia o aborda.
Enquanto um dos policiais verifica o convés, outro desce até o compartimento da tripulação e repentinamente é atacado por um “homem” em aparente estado de decomposição. Após o ataque ao primeiro policial, o zumbi sobe ao convés na tentativa de pegar o segundo, este mais rápido saca seu revolver e atira derrubando-o nas profundezas das águas.



As investigações policiais levam até Anne Bowles, o barco pertencia ao seu pai. A moça diz aos investigadores não saber onde seu pai se encontra, já que fazem alguns meses que ela não tem contato com ele, desde que partira para uma viagem com amigos para as Antilhas.

Anne na calada da noite resolve investigar o barco de seu pai, na busca por qualquer pista do que possa ter acontecido. No local ela acaba se encontrando com um jornalista chamado Peter West, que fora designado por um editor de um jornal local para cobrir o caso.
Peter já havia encontrado no barco uma carta destinada a Anne, escrita pelo seu pai. Na carta o pai de Anne relata que durante sua viagem ficara doente em uma ilha chamada Matoul, e que acreditava que não poderia mais voltar com vida à Nova York. Peter em busca de uma boa matéria e Anne em busca de respostas decidem viajar até as Antilhas.



Lá eles encontram o casal Brian e Susan que aceitam levar os dois até a ilha de Matoul, onde finalmente encontram com o Doutor Marnard, que não só conheceu o pai de Anne como também pesquisa a origem da “doença” que vem acometendo a população local.

Agora o grupo deverá lutar pelas suas vidas enquanto buscam uma maneira de sair da ilha de Matoul...


Considerações finais e pessoais:


É importante notar que por se tratar de uma obra com um orçamento mais baixo do que as tradicionais obras norte-americanas, Zombie – A Volta dos Mortos apresenta alguns defeitos bem aparentes. É comum notar alguns errinhos de continuidade aqui e acolá (e olha que eu dificilmente reparo nesse tipo de coisa), por exemplo, a cena inicial do filme, onde apresenta o Dr Menard em uma segunda ocasião é revista dentro do filme, só que nessa ocasião é cena completamente diferente.


A falta de um orçamento gordo também é proporcional a falta de figurantes: A ilha de Matoul mostra pouquíssimas pessoas, e por menor que a ilha fosse na vida real aposto que teria mais do que meia dúzia de habitantes como mostra no filme, por inúmeras vezes habitantes são mencionados mas o máximo que vemos é um ou outro “gato pingado” no hospital improvisado do Dr. Menard. E mesmo os ataques dos zumbis ocorrem com poucos mortos-vivos atacando por vez, o que me leva a crer que os mesmos atores devem ter interpretado inúmeros zumbis diferentes.



Outra coisa que chama atenção negativamente são as péssimas atuações do elenco feminino, que por muitas vezes mostram reações artificiais ou pouco condizentes com o que está acontecendo.

E ainda falando em incoerência: uma das cenas mais elogiadas pelo público de Zombie é um confronto submarino que ocorre entre um tubarão e um zumbi, apesar de ser algo interessantíssimo de se ver (e que particularmente nunca vi em nenhum outro filme) é pouco condizente ao comportamento dos outros zumbis do filme, o zumbi mergulhador se move com uma agilidade impressionante, enquanto nas outras situações eles são lerdos como lesmas.
Ou ainda como explicar que no início do filme uma pessoa mordida por um zumbi demorava horas para se transformar, mas nos instantes finais bastava alguns minutos após a mordida e voilá temos uma nova ameaça?
E como é possível que o cadáver de um conquistador espanhol se transforme em zumbi, tendo em vista que durante o filme, os zumbis são mortos com tiros na cabeça? Será que depois de alguns séculos é possível que um cadáver tenha um cérebro e ainda por cima sangue?



Porém deixei para falar dos defeitos que encontrei no filme por primeiro, porque sim, Zombie – A Volta dos Mortos também possui muitas qualidades, pra começar considero que o filme sofreu uma grande injustiça de ter se transformado em uma “continuação” de Despertar dos Mortos em seu país de origem, graças a isso durante anos o filme foi estigmatizado como uma imitação da obra de Romero. Porém está muito longe disso, pois ele tem personalidade própria e a todo o momento Fulci joga na cara do telespectador que a despeito do baixo orçamento ele é um excelente diretor.



Para começar uma das coisas que me chamou atenção logo de cara é que a maior parte da ação do filme se passa durante o dia e em lugares abertos, desde o primeiro ataque do zumbi no barco, ao confronto do zumbi mergulhador com o tubarão, passando pela ação ocorrida na ilha já se percebe o clima diferente. Enquanto a trilogia dos zumbis de Romero se passa em lugares fechados (uma casa, um shopping e uma base militar), Fulci ousou fazer algo diferente, deixando somente o climáx do confronto final entre os sobreviventes e os zumbis para a noite e em um lugar fechado. Confronto este que é um momento muito inspirado, digno de um filme de ação.



Mas o destaque maior mesmo (como em uma obra assim deve ser) é dos mortos-vivos. Acredito que Fulci tenha sido o primeiro diretor a mostrar um zumbi como um ser-humano em estado de decomposição. Ao contrário dos filmes de Romero que os mostrava apenas com uma maquiagem básica com algumas cores frias e traços pretos, Zombie apresenta seus mortos-vivos com uma maquiagem de pele apodrecida e caindo, vermes e minhocas saindo de suas bocas e olhos, e ainda os mostra levantando dos seus túmulos atacando com uma violência gráfica bem explicita, olhos perfurados, gargantas cortadas, mordidas que arrancam pedaços, tudo on-screen (e em close) com aquele sangue vermelhão tão característico do cinema dos anos 70.



A minha última consideração a respeito desse filme é sobre a sua trilha sonora, que é realmente muito bonita e ao mesmo tempo ousada para ser colocada em um filme de terror. As cenas onde os mortos se levantam dos túmulos e o confronto final, chegam a se tornar poéticas graças a essa trilha. É algo até estranho que um filme que deveria causar repulsa consiga ser ao mesmo tempo algo bonito e emocionante de se ver, e que conseguiu causar impacto em uma pessoa que na maioria das vezes enxerga as coisas de maneira mais superficial como eu.



Todas essas características ainda somadas a um excelente trabalho de câmera tornaram um filme que tinha tudo para dar errado em um dos melhores filmes do gênero zumbi que já assisti, tanto que consegui ignorar solenemente os defeitos citados antes. Para mim Zombie – A Volta dos Mortos consegue ser melhor que qualquer um dos filmes do George Romero.


Nota: 9,5 (um dos melhores filmes de zumbi que já assisti)

Trailer:

Curiosidades:

-O próprio diretor do filme Lucio Fulci faz uma pequena participação atuando. Ele interpreta o editor do jornal onde trabalha Peter West (Ian McCulloch).

-Zombie - A Volta dos Mortos, foi filmado praticamente sem som dos diálogos, e posteriormente dublado. O motivo: o elenco principal era composto por atores de nacionalidades diferentes. Sendo que Ian McCulloch (escocês), Tisa Farrow (norte-americana),Olga Karlatos (grega), Stefania D'Amario (italiana) se comunicavam em inglês. E Al Cliver (egípcio), Auretta Gay(italiana) e Dakar (peruano) falavam em italiano.

-Alguns dos zumbis do filme foram interpretados por 4 irmãos. Os irmãos Alberto, Arnaldo, Ottaviano e Roberto Dell'Aqua.

-Zombie - A Volta do Mortos recebeu uma continuação chamada de Zombi 3, dirigida novamente por Fulci. A despeito das qualidade de Zombi 2 esse filme passou por muitos problemas e hoje é mais lembrado por ser um filme de péssima qualidade do que porque qualquer outro motivo.

-Segundo a equipe de produção foram filmadas cenas que mostrariam zumbis emergindo das águas em Nova York, porém foram retiradas da corte final.

-O roteirista Dardano Sacchetti preferiu que seu nome não fosse exibido nos créditos.
O motivo: seu pai seu pai havia falecido durante a produção do filme, e ele se sentiu desconfortável de ter seu nome ligado a um enredo onde mortos retornam a vida para depois serem destruídos.


That's All Folks!

3 comentários:

  1. Zumbi x Tubarão também acontece em Holocausto Zumbi(que também é italiano), mas como não vi nem esse nem o citado Zombi, não posso falar.

    Preciso criar coragem p0ra ver mais filmes de zumbi. Chega de só ver Resident Evil e me achar fodona por causa disso... >.<'

    ResponderExcluir
  2. @Patricia

    Eu também não vi o Zombie Holocaust, mas pelo que andei lendo a respeito dele, é uma imitação do Zombie. Sendo que tem inúmeras similaridades com o roteiro de Zombie. Incluindo um dos protagonistas ser o Ian McCulluch. O filme ainda mistura zumbis com canibais, e o proprio nome já é uma mistura de Zombie com o Cannibal Holocaust, tentando capturar fãs também da obra do Deodatto. Mas de qualquer forma obrigado pela informação, vou procurar a cena para ver como é.

    Se queres ver mais filmes de zumbi aconselho além deste Zombie, ver também a trilogia do George Romero. A Noite dos Mortos-Vivos, Despertar dos Mortos e Dia dos Mortos.

    Se não tens saco para filmes mais antigos então aconselho a ver os recentes Extermínio 1 e 2. E REC (o original espanhol, não o Quarentena made in USA). Já Resident Evil eu não aconselho nem pros meus inimigos...hehehe.

    ResponderExcluir
  3. Depois que assistir esse filme em 1980, nunca mais um filme de terror ou de suspense me mendontraram ou me mendontrarão nos dias de hoje. É simplesmente perfeito. Posso afirmar com certeza: assim como aconteceu no cine Brasil em BH (MG), já na primeira cena, metade dos espectadores sirão correndo.

    ResponderExcluir

• Faça pedido de parceria somente na página reservada para isso.

Não aceitamos comentários ofensivos. Se quiser criticar a postagem, critique com educação.

Spams não serão aceitos. Aqui não é lugar para você divulgar seu site, blog ou seja lá o que for.

• Lembre-se de que o Vai Assistindo possui mais de um autor. Portanto, a crítica de cada um deles não expressa a opinião de todos os outros autores. Procure ver logo abaixo do título de cada postagem o nome do autor que a criou.

• As opiniões expressas nos comentários não refletem as dos autores do blog.