16 de jun de 2010

Comando Assassino (Monkey Shines)

Título Original: Monkey Shines
País de Origem: EUA
Duração: 113 minutos
Ano de Lançamento: 1988
Direção e roteiro: George A. Romero
Baseado no livro Monkey Shines de Michael Stewart

Elenco: Jason Beghe (Allan Mann), Boo (macaquinha Ella), John Pankow (Geoffrey Fisher), Kate McNeil (Melanie Parker), Joyce Van Patten (Dorothy Mann), Christine Forrest (Maryanne Hodges), Stanley Tucci (Dr. John Wiseman), Janine Turner (Linda Aikman), Stephen Root (Dean Burbage)[+]

Sinopse:
Allan, um estudante de direito e atleta, é atropelado enquanto treinava. Após cirurgia para salvar sua vida, acaba ficando tetraplégico e perde sua vontade de viver. Um amigo cientista o presenteia com a macaquinha Ella, treinada para obedecer e servir, e Allan ao lado de Ella reencontra a alegria e vontade de viver.
No entanto Ella é parte de um outro experimento, e passa a se conectar com a personalidade de Allan, dando vazão as suas frustações e raiva, tornando-se assim uma perigosa companhia para Allan, sua família e amigos.



Vai Lendo!




Quando se fala em George Romero a primeira imagem que acredito vir na mente do interlocutor é de algum filme de zumbi. Também pudera de sua curta filmografia mais da metade é sobre o tema, sendo que seu primeiro filme, A Noite dos Mortos Vivos, foi um divisor de águas no mundo dos filmes de terror.
Se hoje tem quem diga que Romero deveria se aposentar de vez com seus filmes de zumbis (ele já prometeu mais dois), no passado Romero dirigiu alguns bons filmes que fogem do genêro, como este Comando Assassino (mais um nome estupidamente criado em Terra Brasilis).
Apesar desse nome, Comando Assassino não é nenhum filme de ação protagonizado por algum truculento dos anos 80, por tanto podem assistir sossegados, porque este se trata de um filmaço de suspense da melhor espécie.

Logo no início do filme uma mensagem nos avisa que todos os animais usados nas filmagens foram treinados e que apesar de algumas cenas parecerem traumáticas, nenhum animal foi ferido (tranqüilizador para quem assim como eu abomina violência contra animais).
Então somos apresentados a Allan, que após uma noite de amor com a sua companheira Linda, sai para correr. Durante o percurso, ele é atacado por um cão, se assusta e é atropelado.
Allan sobrevive, mas acaba ficando tetraplégico e precisa agora se adaptar a sua nova vida, no entanto a adaptação não é nada fácil e ele acaba perdendo a vontade de viver.



Geoffrey é um cientista e amigo de Allan, ele trabalha em um projeto que visa o aumento da inteligência de macacos injetando uma fórmula que tem em sua composição células cerebrais humanas. Pressionado pelo seu superior a mostrar resultados, Geoffrey decide treinar a macaquinha Ella, sua melhor espécime, para ajudar a servir Allan, assim estimulando sua inteligência.



Allan auxiliado por Ella reencontra a vontade de viver e passa aceitar melhor sua condição, e conforme Geoffrey imaginava a inteligência da macaquinha passa a se desenvolver cada vez mais.
No entanto, Ella passa a desenvolver um sentimento de possessão por Allan, chegando a criar uma conexão telepática com sua personalidade. Ella passa a sentir toda raiva que Allan sente por seus desafetos e torna uma perigosa ferramenta para a realização dos desejos ocultos de seu mestre.



Comando Assassino até mais ou menos sua metade poderia facilmente ser confundido como um filme dramático sobre uma pessoa deficiente, uma característica assim para muitos poderia até ser considerada um defeito em um filme de suspense. No entanto nas mãos de Romero o drama acaba se tornando uma ótima ferramenta, servindo para desenvolver bem os personagens e criar um vínculo do espectador com a trama, e servindo melhor ainda para o contraste do ato final, que é carregado de suspense e tensão como poucos filmes na época foram capazes de produzir.

E apesar dessa estória de injetar um composto com células cerebrais ser inverossímil, acredito que o objetivo mesmo do filme é mostrar que o ser humano com seu ódio é capaz de contaminar até mesmo uma criatura dócil como a macaquinha Ella. Como diz a expressão: o cão tem a cara do seu dono.



Nota (0-10): 8 (um bom filme, com uma boa trama e um ato final carregado de suspense)


Trailer:



Curiosidades:

-Este foi o primeiro filme de George Romero bancado por um estúdio de Hollywood. No entando o estúdio Orion apresentou um corte diferente do idealizado por Romero, o que desagradou o diretor.

-Romero só voltou a trabalhar com um estúdio de Hollywood novamente em 1993, com a adaptação do livro de Stephen King, A Metade Negra. Curiosamente o estúdio que bancou o projeto foi o mesmo Orion.

Nota: Agradecimento especial ao Ronald Perrone do blog Dementia 13. Eu havia assistido esse filme fazia muitos anos e não lembrava o nome, o Ronald não só sabia de que filme se tratava como prontamente me indicou o trailer no Youtube e a ficha no IMDb. Então pude reassistir e trazer essa resenha para vocês.


That's all folks! Até a próxima.

3 comentários:

  1. Me lembrou da minha infância :|
    saudadeeeeeeeeeeeee rs

    ResponderExcluir
  2. Belo texto... agora eu é que estou precisando rever essa preciosidade do Romero!

    ResponderExcluir
  3. @Frank
    É sempre bom lembrar da infância ;)

    @Ronald
    Esse vale a pena uma reprise mesmo, agora eu estou atrás do Exercito do Extermínio que eu nunca vi, mas ainda não encontrei nenhum com uma qualidade de vídeo aceitável.

    ResponderExcluir

• Faça pedido de parceria somente na página reservada para isso.

Não aceitamos comentários ofensivos. Se quiser criticar a postagem, critique com educação.

Spams não serão aceitos. Aqui não é lugar para você divulgar seu site, blog ou seja lá o que for.

• Lembre-se de que o Vai Assistindo possui mais de um autor. Portanto, a crítica de cada um deles não expressa a opinião de todos os outros autores. Procure ver logo abaixo do título de cada postagem o nome do autor que a criou.

• As opiniões expressas nos comentários não refletem as dos autores do blog.